Dia a dia

Começa segunda, nas escolas públicas, campanha para identificação de hanseníase

A prefeitura de Manaus e o governo do Estado começam na segunda-feira (10), a Campanha Nacional de Hanseníase e Geo-helmintíases, que acontecerá até o dia 31 de outubro na capital. A ação faz parte do plano de trabalho do Programa Saúde na Escola (PSE) e é realizada anualmente por meio de parceria entre as secretarias municipais de Saúde (Semsa) e Educação (Semed) e a Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

O secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto, explicou que os profissionais de Saúde farão a busca ativa de casos novos de hanseníase e tratamento quimioprofilático para Geo-helmintíases, em 104 mil alunos, na faixa-etária de 5 a 14 anos, matriculados em 218 escolas da rede pública de ensino municipal e estadual.

“A hanseníase é uma doença infecciosa crônica e a busca ativa de casos novos mostra-se eficaz, sobretudo quando se procura diagnosticar precocemente os casos da doença, evitando assim incapacidades físicas ou deformidades que possam comprometer o futuro das crianças”, alertou Homero.

A incidência de casos de Hanseníase em Manaus vem diminuindo gradativamente, mas ainda assim é considerada uma cidade com alta endemicidade da doença, salientou a chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Semsa, Eunice Jácome. No ano de 2014, o coeficiente de detecção de novos casos foi de 12,15 por cada 100 mil habitantes. Em relação ao coeficiente de detecção na população de 0 a 14 anos que mede os casos de transmissão recente, o percentual é de 4,75 para cada 100 mil habitantes, que também é considerado como alta endemia.

As geo-helmintíases são infecções intestinais causadas por parasitos que passam parte de seu ciclo de vida no solo, acarretando sua contaminação, bem como da água e alimentos com os ovos ou larvas desses agentes. Estão presentes principalmente nas zonas rurais e periferias de centros urbanos.

“A estratégia no ambiente escolar, já utilizada internacionalmente, comprovadamente reduz os custos do tratamento e potencializa os resultados da intervenção, proporcionando excelente oportunidade de atingir o maior número de crianças em razão da agregação de crianças e adolescentes nesse ambiente escolar”, afirmou Eunice Jácome.

As atividades da Campanha incluem mobilização e orientações aos professores e escolares, administração do medicamento Albenzadol, exame de pele ou preenchimento da ficha de autoimagem pelos pais ou responsáveis dos escolares. Todas as crianças com manchas de pele serão encaminhadas para avaliação médica.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir