Esportes

Com atraso de quase uma hora, chama olímpica chega a Brasília

Escoltado por dois caças, o avião que transportou a chama olímpica da Suíça para o Brasil chegou ao aeroporto de Brasília às 7h25 desta terça-feira (3), quase uma hora depois do previsto.

O fogo aceso na Grécia em 21 de abril foi mantido em lanternas (espécie de lampião) durante o trajeto aéreo. O revezamento da tocha começa às 10h, no Palácio do Planalto, com a bicampeã olímpica de vôlei Fabiana Claudino.

No aeroporto, a chama foi recebida por uma centena de profissionais de imprensa e uma dezena de convidados, além de autoridades como o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e o ministro interino do Esporte, Ricardo Leyser.

O público não teve acesso à pista de pouso, no Terminal 2, o menor do aeroporto. O voo era fretado, da Latam.

CONHEÇA OS 10 PRIMEIROS CONDUTORES DA TOCHA NO BRASIL

1) Fabiana Claudino

Bicampeã olímpica (2008 e 2012) e capitã da seleção brasileira de vôlei, Fabiana Claudino é considerada uma das melhores centrais do mundo. Com 1,93m, a jogadora nascida em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, é uma das apostas do técnico José Roberto Guimarães para conquistar o tricampeonato olímpico nos Jogos do Rio.

2) Artur Ávila Cordeiro de Melo

Primeiro pesquisador brasileiro e da América Latina a receber a Medalha Fields, considerada o Nobel da Matemática, Artur Ávila Cordeiro de Melo, 36, se divide entre o Rio e Paris, cidades em que coordena estudos do Centre National de la Recherche Scientifique e do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada.

3) Gabriel Hardy

Aos 16 anos, Gabriel Hardy acumula prêmios e conquistas, como o campeonato brasileiro juvenil e o terceiro lugar no sul-americano de karatê. Aluno da rede pública estadual de Sobradinho, cidade-satélite do Distrito Federal, o atleta é agente jovem Transforma, programa feito em parceria com o governo federal que leva os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos às escolas.

Gabriel treina na Associação Hardy, ONG dirigida por seu pai, o professor de karatê Heitor Hardy, que atende cerca de 100 crianças e jovens carentes da cidade.

4) Ângelo Assumpção

Uma das promessas brasileiras nos Jogos Olímpicos do Rio, Ângelo Assumpção é especialista em salto e solo, e integra a seleção de ginástica artística do Brasil. No ano passado, durante a etapa de São Paulo da Copa do Mundo de ginástica, o atleta paulistano subiu ao pódio para receber a medalha de ouro no salto ao lado de seu grande ídolo, o ginasta Diego Hypólito. Após passar por um episódio de racismo, o atleta de 19 anos venceu o preconceito e hoje está entre os destaques da seleção.

5) Aurilene Vieira de Brito

Diretora da Escola Estadual Augustinho Brandão, em Cocal dos Alves (PI), Aurilene Vieira de Brito enfrenta as dificuldades diárias de educar estando em um dos 30 municípios do Brasil com o pior do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Ainda assim, a professora conseguiu colocar sua escola entre as melhores no Ensino Médio no país, ao vencer a defasagem educacional dos alunos e conquistar dezenas de medalhas em Olimpíadas de Matemática e Química.

6) Hanan Khaled Daqqah

Hanan e sua família moravam na cidade de Idlib, no nordeste da Síria, um dos palcos da guerra civil no país. Seu pai foi preso, acusado de tráfico de pessoas, ao ajudar amigos a escapar da violência. Ficou 11 meses detido e, após libertado, passou a ser ameaçado de morte por grupos governistas e da oposição. Foi quando a família buscou abrigo na Jordânia, onde viveu por dois anos e meio no campo de refugiados de Zaatari. Em 2015 eles chegaram ao Brasil por meio do programa de vistos humanitários do governo federal, que facilita a entrada no país de pessoas afetadas pelo conflito na Síria. Toda sua família foi reconhecida pelo governo como refugiados e agora reconstrói sua vida no Brasil.
Aos 12 anos, Hanan vive em São Paulo com seu pai, a mãe, um irmão mais velho e uma irmã bebê, mais os tios e outros quatro primos, em um pequeno apartamento no centro da cidade. A mãe de Hanan está grávida, e em breve ela terá um irmão brasileiro.

7) Adriana Araújo

Adriana Araújo é a única mulher brasileira medalhista olímpica no boxe, o bronze conquistado há quatro anos, na categoria até 60 kg, nos Jogos Olímpicos de Londres-2012. A pugilista baiana de 34 anos, que conquistou a centésima medalha brasileira em Jogos Olímpicos, quer continuar a fazer história nos Jogos do Rio. Para isso, ela se mudou de Salvador para São Paulo, no ano passado, para se dedicar exclusivamente aos treinos.

8) Gabriel Medina

Um dos maiores ídolos do esporte brasileiro, Gabriel Medina iniciou ainda na adolescência sua trajetória vitoriosa no surfe. Aos 11 anos, o surfista nascido em São Sebastião (SP), em 1993, ganhou seu primeiro campeonato nacional e, aos 15, se tornou o atleta mais novo a vencer uma etapa do Mundial de Surf (ASP). No final de 2014 entrou para a história como o primeiro brasileiro a conquistar o título da WCT, o circuito mundial de surfe.

9) Paula Pequeno

Melhor jogadora dos Jogos Olímpicos de Pequim-2008, a bicampeã olímpica Paula Pequeno defende atualmente a equipe Brasília Vôlei na Superliga. A ponteira de 34 anos tem uma trajetória vitoriosa, atuando nas principais equipes brasileiras, com passagens pela Rússia e Turquia.

10) Vanderlei Cordeiro de Lima

O ex-maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima, 46, protagonizou um dos momentos mais emocionantes da história dos Jogos Olímpicos. Ele liderava a prova da maratona, em 2004, na Grécia, quando, a seis quilômetros da linha de chegada, foi derrubado por um manifestante religioso, que burlou a segurança da prova. Em vez de se abalar, o atleta voltou à prova e conquistou a medalha de bronze. Pela demonstração de espírito olímpico, Vanderlei recebeu do Comitê Olímpico Internacional a medalha Pierre de Coubertin –o primeiro latino-americano a ganhar a condecoração.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir