Dia a dia

Coari entra em situação de emergência por conta da cheia; número chega a 20 no AM

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais - foto: divulgação/ Defesa Civil

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais – foto: divulgação/ Defesa Civil

O município de Coari, na calha do Médio Solimões entrou  nesta quinta-feira (08) na listagem emergencial da Defesa Civil do Estado por conta da enchente. Nos últimos dois dias, técnicos do órgão estiveram no local para atestar a anormalidade e avaliar os danos.  A cidade será incluída no cronograma de ajuda humanitária do Governo.

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais. O nível do rio está em 17 m. A máxima registrada em 2012 foi de 17,65m.

“Assim como os demais municípios em anormalidade, que já foram atendidos pelo Governo do Estado com o suporte alimentar e outros itens essenciais, Coari entra agora no cronograma de apoio do órgão”, garantiu o Roberto Rocha, Secretário da Defesa Civil AM.

São ao todo 21 municípios em anormalidade por conta da cheia das calhas do Juruá, Purus e Solimões. Desses, 20 em situação de emergência e um em estado de calamidade pública (Boca do Acre). O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil já destinou as cidades 374 toneladas de alimentos não perecíveis, para garantir a proteção alimentar dos ribeirinhos, que nesta época ficam com a produção agrícola comprometida.

Em situação de emergência estão os municípios de Itamarati, na região do Juruá; Guajará (Juruá); Ipixuna (Juruá); Eirunepé (Juruá); Envira (Juruá); Canutama (Purus); Tapauá (Purus); Carauari (Purus); Pauiní (Purus); Lábrea (Purus); Atalaia do Norte (Alto Solimões), Benjamin Constant (Alto Solimões), Tabatinga (Alto Solimões); Amaturá (Alto Solimões); Santo Antônio do Iça (Alto Solimões); São Paulo de Olivença (Alto Solimões), Tonantins (Alto Solimões); Tefé (Médio Solimões); e, agora, Coari (Médio Solimões).

Ainda conforme a Defesa Civil Estadual, quatro municípios do Amazonas estão em situação de alerta: Humaitá, na região do Madeira; Fonte Boa, na região do Médio Solimões; Uarini e Alvarães, os dois também na região do Médio Solimões.

A Defesa Civil informou que enviou 374 toneladas de alimentos não perecíveis às cidades afetadas pela cheia no Amazonas. O objetivo é garantir alimentos aos ribeirinhos, que nesta época ficam com a produção agrícola comprometida. Além de alimentos, a população recebe kit´s dormitório (colchões, redes, mosquiteiros) e de higiene pessoal, medicamentos, filtros de água, hipoclorito de sódio.

Com informações da assessoria de comunicação

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir