Dia a dia

Coari entra em situação de emergência por conta da cheia; número chega a 20 no AM

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais - foto: divulgação/ Defesa Civil

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais – foto: divulgação/ Defesa Civil

O município de Coari, na calha do Médio Solimões entrou  nesta quinta-feira (08) na listagem emergencial da Defesa Civil do Estado por conta da enchente. Nos últimos dois dias, técnicos do órgão estiveram no local para atestar a anormalidade e avaliar os danos.  A cidade será incluída no cronograma de ajuda humanitária do Governo.

Em Coari, são 4.350 famílias afetadas. Dez estão em abrigos municipais. O nível do rio está em 17 m. A máxima registrada em 2012 foi de 17,65m.

“Assim como os demais municípios em anormalidade, que já foram atendidos pelo Governo do Estado com o suporte alimentar e outros itens essenciais, Coari entra agora no cronograma de apoio do órgão”, garantiu o Roberto Rocha, Secretário da Defesa Civil AM.

São ao todo 21 municípios em anormalidade por conta da cheia das calhas do Juruá, Purus e Solimões. Desses, 20 em situação de emergência e um em estado de calamidade pública (Boca do Acre). O Governo do Estado, por meio da Defesa Civil já destinou as cidades 374 toneladas de alimentos não perecíveis, para garantir a proteção alimentar dos ribeirinhos, que nesta época ficam com a produção agrícola comprometida.

Em situação de emergência estão os municípios de Itamarati, na região do Juruá; Guajará (Juruá); Ipixuna (Juruá); Eirunepé (Juruá); Envira (Juruá); Canutama (Purus); Tapauá (Purus); Carauari (Purus); Pauiní (Purus); Lábrea (Purus); Atalaia do Norte (Alto Solimões), Benjamin Constant (Alto Solimões), Tabatinga (Alto Solimões); Amaturá (Alto Solimões); Santo Antônio do Iça (Alto Solimões); São Paulo de Olivença (Alto Solimões), Tonantins (Alto Solimões); Tefé (Médio Solimões); e, agora, Coari (Médio Solimões).

Ainda conforme a Defesa Civil Estadual, quatro municípios do Amazonas estão em situação de alerta: Humaitá, na região do Madeira; Fonte Boa, na região do Médio Solimões; Uarini e Alvarães, os dois também na região do Médio Solimões.

A Defesa Civil informou que enviou 374 toneladas de alimentos não perecíveis às cidades afetadas pela cheia no Amazonas. O objetivo é garantir alimentos aos ribeirinhos, que nesta época ficam com a produção agrícola comprometida. Além de alimentos, a população recebe kit´s dormitório (colchões, redes, mosquiteiros) e de higiene pessoal, medicamentos, filtros de água, hipoclorito de sódio.

Com informações da assessoria de comunicação

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir