Esportes

Clubes brasileiros vetaram árbitros do país nas oitavas da Libertadores

foto: divulgação

foto: divulgação

Os brasileiros estreiam nas oitavas de final da Libertadores nesta quarta-feira (6) com dois confrontos caseiros: São Paulo x Cruzeiro e Internacional x Atlético-MG. Diferentemente do que indica o regulamento de competições do torneio da Conmebol, os árbitros das partidas não serão brasileiros.

Isso porque os quatro clubes vetaram árbitros do país, o que é permitido pelo artigo 13.2 do regulamento do torneio.

“Quando se enfrentam dois clubes de uma mesma associação nacional os árbitros designados serão da lista da Fifa do mesmo país. A pedido de um dos clubes, aceito pela associação nacional, poderá ser designado um grupo de árbitros estrangeiros de lista internacional da Fifa, a critério da Comissão de Árbitros da Conmebol”, diz o regulamento da Libertadores.

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, informa que o clube e o Cruzeiro enviaram um ofício à CBF pedindo que não fosse escalado um trio de arbitragem brasileiro nas partidas entre as equipes nas oitavas de final. O paraguaio Carlos Amarilla foi escalado para a partida.

“Nós pedimos em comum acordo, até para diminuir a pressão. Assinamos um ofício e mandamos para a CBF”, disse Aidar à reportagem. “Acredito até que essa determinação para que se escale árbitros do país caia. É uma coisa antiga, até para reduzir custos, o que não faz sentido hoje”, completou.
O mesmo veto foi feito por Atlético-MG e Internacional, que se enfrentam também nesta quarta (6).

Na primeira fase da Libertadores, os clássicos do São Paulo contra o Corinthians tiveram brasileiros no apito. Ricardo Marques Ribeiro e Sandro Meira Ricci foram os árbitros. Os dois receberam críticas de corintianos e são-paulinos.

“Eu não fui consultado sobre isso, mas é algo previsto no regulamento da Conmebol. É algo que passa pelos clubes e direção, mas tenho certeza que os árbitros brasileiros teriam condições de atuar bem nesses jogos”, afirma o chefe da comissão de arbitragem da CBF.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir