País

Cinco anos depois de tragédia, Teresópolis não consegue entregar casas

Casa destruída e abandonada no bairro da Granja Florestal durante a tragédia de 2011 – foto: Tomaz Silva/ABr

Casa destruída e abandonada no bairro da Granja Florestal durante a tragédia de 2011 – foto: Tomaz Silva/ABr

O pequeno riacho que corta o bairro de Campo Grande, em Teresópolis, na serra fluminense, e só chega à altura do tornozelo, nem de longe lembra o imenso rio em que se transformou em 12 de janeiro de 2011.

Naquela madrugada, o bairro foi arrasado por uma cabeça d’água que arrastou troncos, pedras e toneladas de lama, soterrando casas, automóveis e deixando um rastro de morte. Há cinco anos, a cidade contabilizou 390 mortos, 5 mil desabrigados e 311 pessoas desaparecidas por causa do excesso de chuvas na maior tragédia natural do país.

Nesta terça-feira (12), cinco anos depois, a vegetação esconde o que restou de escombros de antigas casas e lojas demolidas, mas as marcas permanecem na memória de quem ainda luta para viver. Em Teresópolis, 2,1 mil pessoas ainda recebem R$ 500 de aluguel social e esperam as chaves das casas populares do Programa Minha Casa, Minha Vida. Apesar de quase prontas, as 1,6 mil unidades só serão entregues depois de construído um viaduto na rodovia de acesso ao condomínio.

Essa foi uma das exigências da Caixa Econômica, que financiou os imóveis, preocupada com o intenso e perigoso tráfego de veículos próximo ao condomínio, que receberá 5 mil moradores.

“Foi problema de planejamento. Até se pensou nisso [no grande fluxo da rodovia], mas com a mudança de governo, foi empurrando, empurrando. Agora, há cerca de 700 casas para entregar [prontas desde 2015, com dois quartos, sala, banheiro e cozinha] e não se consegue por causa disso [do aval]”, explicou o secretário de Defesa Civil do município, Coronel Roberto Silva.

As casas do Condomínio Parque Ermitage, do Programa Minha Casa, Minha Vida, serão destinadas para desabrigados pela chuva em 2011 – foto: Tomaz Silva/ABr

As casas do Condomínio Parque Ermitage, do Programa Minha Casa, Minha Vida, serão destinadas para desabrigados pela chuva em 2011 – foto: Tomaz Silva/ABr

A nova previsão é que a licitação do viaduto pelo governo do estado seja feita esta semana e a obra concluída no segundo semestre do ano, juntamente com uma passagem subterrânea.

Quem espera pela mudança não se conforma. A faxineira Angela Maria Lopes é uma delas. Depois de socorrer vizinhos, perder familiares, ela deixou para trás uma casa com três quartos, ainda nova, mas condenada pela Defesa Civil, para se salvar de novas tragédias no bairro Caleme. Teria, em troca, um novo apartamento entregue pelo governo estadual.

Onde morava, dezenas de pessoas morreram soterradas, atingidas pela tromba d’água. Hoje, Angela tenta se recuperar, trabalhando como diarista para pagar as contas da casa nova e psicólogo para a filha, de 16 anos. “Perdi sete pessoas da minha família, falta achar quatro, entre sobrinhas e primas. Ficamos na esperança, isso acaba com a gente”, desabafou.

“A gente acaba lembrando também do horror que foi aquilo tudo. Chegar à delegacia para reconhecer os corpos despejados de caminhão. Era mangueira aberta para lavar os corpos, para conseguir reconhecer quem era da família. Passamos por tudo isso”, acrescentou.

Ela também socorreu o vizinho Rubens, outro à espera de uma casa. Conta que chegou à sua antiga porta, coberto de lama, depois que tudo veio abaixo. “Foi um horror mesmo. Teve muita gente, como da minha família, que não podia nem dar banho, foi enterrado sujo mesmo”, lamentou. Ele perdeu dois filhos e a esposa, esta no galho de um abacateiro.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir