País

“Chorei quando vi o vídeo”, diz avó de garota que afirma ter sido estuprada

Jovem postou foto da vítima e ironizou caso de estupro que teria ocorrido no Rio - foto: reprodução

Jovem postou foto da vítima e ironizou caso de estupro que teria ocorrido no Rio – foto: reprodução

Eram 15h de quarta-feira (25) quando a família de C.P., 16, recebeu o telefonema de um vizinho relatando que a adolescente havia sido estuprada no morro da Barão, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. Segundo ele, o crime estava registrado em um vídeo numa rede social.

Os parentes da adolescente foram para a frente do computador e viram a cena -de cerca de 40 segundos- que deu início à uma investigação da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual.

Mãe de um menino de três anos, a jovem estava deitada numa cama, seminua, e observada por um grupo de pessoas. A suspeita é que 33 homens tenham violentado a adolescente.

“Chorei quando vi o vídeo. Choramos todos. Me arrependi de ter visto. Quando ouvimos a história, não acreditávamos no que estava acontecendo. É uma aflição muito grande. É uma situação deprimente”, disse a avó materna da adolescente, que pediu para não ser identificada.

Voltou para casa

Ela contou que a adolescente saiu de casa na sexta (20) dizendo que ia visitar amigas no morro da Barão. Só voltou na tarde de terça (24). Vestia roupas de homem e estava sem o telefone celular. Após uma noite de sono, acordou na quarta (25) dizendo que iria buscar o aparelho na favela.

“Depois que vimos o vídeo, o assunto começou a se espalhar e, horas depois, ela retornou à casa levada por um agente comunitário do morro”, disse a avó.

A jovem prestou depoimento na delegacia durante a madrugada desta quinta (26). Depois, foi encaminhada a um hospital onde recebeu um coquetel de medicamentos para evitar doenças sexualmente transmissíveis.

Desde então, a adolescente está em casa com os pais e a avó materna. “Ela não está bem. Está muito confusa. A coisa foi muito séria.”

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir