Mundo

China expulsa primeira correspondente estrangeira desde 2012

A correspondente em Pequim do semanário francês L’Obs, Ursula Gauthier, anunciou ter sido nesta sexta-feira (25) informada pelas autoridades chinesas de que será expulsa do país no dia 31 de dezembro de 2015, sendo a primeira jornalista estrangeira a ser expulsa desde 2012.

Na capital chinesa há seis anos, Gauthier é alvo, há um mês, de violentos ataques por parte dos órgãos de comunicação social estatais chineses e de funcionários, depois de ter publicado no site do L’Obs um artigo sobre a política repressiva aplicada em Xinjiang,  região da China ocidental de maioria muçulmana.

Com o título “Depois dos atentados, a solidariedade da China sem segundas intenções”, a jornalista relatou a reação de Pequim diante dos atentados de 13 de novembro em Paris. No artigo, Gauthier descrevia as medidas repressivas e a política “antiterrorista” das autoridades chinesas em Xinjiang, que têm originado, desde há dois anos, uma crescente onda de violência na região, que é o berço de língua turcomana dos Ouïghours, uma minoria muçulmana que tem vindo a denunciar os ataques contra a sua etnia, cultura e religião, qualificando as ações das autoridades de “atos de terrorismo”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês telefonou para a jornalista hoje para a informar que, na falta de “um pedido público de desculpas”, o seu credenciamento como jornalista no país “não lhe seria renovado”, contou Ursula Gauthier à agência AFP. “Me disseram que se eu não pedisse desculpas públicas […], quebrando a solidariedade com as organizações não governamentais (ONG) estrangeiras”, não seria renovado o meu credenciamento como jornalista no país, que termina dia 31 de dezembro”, o que a obriga a deixar o território chinês.

A jornalista já tinha dito às autoridades que um pedido de desculpas público estava “fora de questão” e, na sua opinião, era “impensável”. Ursula Gauthier é  a primeira correspondente estrangeira na China  punida com essa medida desde a expulsão de Melissa Chan, que trabalhava para o canal de televisão Al Jazeera, em 2012.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir