Economia

Centrais sindicais unem forças pelo trabalhador

Entidades da categoria se uniram para elaborar um documento com as pautas unificadas da classe trabalhadora - foto: divulgação

Entidades da categoria se uniram para elaborar um documento com as pautas unificadas da classe trabalhadora – foto: divulgação

As centrais sindicais do país se uniram para criar uma pauta específica de reivindicações e sugestões para a classe trabalhadora do país. As reivindicações abrangem áreas que vão desde a Previdência Social, política nacional trabalhista até o setor de produção industrial, entre outros. A ideia é apresentar as propostas ao governo federal visando solucionar o entrave da economia nacional e gerar mais empregos no país.

O encontro aconteceu nessa terça-feira (26), em São Paulo, entre as representações da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Nova Central e Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Entre as pautas de reivindicações dos sindicalistas estão a redução da taxa de juros, que hoje está em 14,25%, para que os empresários de todos os setores possam começar a investir, usando os bancos estatais com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil.

Outra sugestão é a manutenção da Previdência Social. De acordo o presidente da Força Sindical no Amazonas Vicente Filizola, os trabalhadores não podem arcar com as políticas previdenciárias erradas. “Um exemplo são as igrejas. Não vamos entrar em atrito com a Igreja, mas essas instituições não contribuem para a Previdência Social, e quem paga tudo são os trabalhadores. Outro ponto é que o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) é um órgão que não faz nada para atrair mais gente para a Previdência Social. Temos como exemplo o comerciante ambulante. A maioria não tem Previdência Social e o órgão não busca associá-lo”, declarou.

Jornada de trabalho

Vicente Filizola falou ainda sobre a carga horária de trabalho que tem sido uma luta incessante da categoria para evitar as propostas de aumento do tempo de trabalho que, segundo ele, representam um retrocesso, pois a tendência mundial é a de diminui-la. “O primeiro ponto que o governo recorre é o trabalhador. Somos nós que pagamos o ‘pato’”, disse o sindicalista.

Os trabalhadores lutam também para que a categoria possa garantir ainda a conquista da Política de Valorização do Salário Mínimo e a isenção do Imposto de Renda sobre a PLR (Participação nos Lucros ou Resultados).

União

O presidente nacional da Força Sindical, Paulo Pereira, parabenizou a união das centrais. “ Essa união é primordial para a luta por mais geração de emprego. Deixamos as diferenças de lado e discutimos estratégias como diminuir juros, ativar alguns setores da economia e também a questão das reformas políticas” ressaltou.

Na ocasião um documento com as propostas que serão enviadas ao governo federal foi assinado pelos presidentes das seis centrais. Para o próximo dia 16 de agosto, está prevista uma movimentação nacional, mesmo que pequena, mas que será focada em Brasília, para pressionar o governo.

Por Joandres Xavier

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir