Esportes

CBF tenta reduzir pena para Neymar jogar final da Copa América

A CBF vai tentar garantir Neymar na final da Copa América. No recurso enviado ao Tribunal da Conmebol, a entidade vai pedir a pena mínima no caso de ofensa, que é de três partidas de suspensão.


Na sexta-feira (19), Neymar foi suspenso por quatro partidas. Caso a punição seja mantida, ele está fora da Copa América. De acordo com a decisão da primeira instância do tribunal, a CBF terá que pagar também multa de US$ 10 mil (cerca de R$ 30 mil) pela atitude do jogador.

O atacante do Barcelona foi punido pela expulsão após a derrota da seleção para a Colômbia, por 1 a 0, quarta (17), em Santiago.

O caso será julgado, provavelmente no domingo (21), pelo presidente da segunda instância do órgão, o equatoriano Guilhermo Saltos.

No julgamento de sexta, os julgadores consideraram grave o relato do árbitro Enrique Osses, que escreveu na súmula que o brasileiro “o insultou” com xingamento.

Se a CBF obter êxito, Neymar conseguiria disputar a final, caso a seleção se classifique.

A punição imposta a Neymar terá que ser cumprida apenas em torneios organizados pela confederação sul-americana.

Sendo assim, o jogador do Barcelona vai poder disputar os jogos das eliminatórias da Copa do Mundo, que terão início em outubro.

Permanência de Neymar no Chile

O técnico Dunga disse que Neymar está liberado para decidir se permanece no Chile.  O atacante foi punido pela expulsão na derrota para a Colômbia, na última quarta-feira (17), em Santiago.

A CBF tenta reduzir a punição. A intenção da entidade é diminuir a pena para três partidas, número mínimo em caso de ofensa ao árbitro. Assim, Neymar poderia jogar a final, caso a seleção se classifique. A decisão da segunda instância do tribunal deverá sair neste domingo (21).

No mesmo dia, a seleção enfrenta a Venezuela, em Santiago. O time precisa vencer para se classificar sem depender de outros resultados do grupo.

Depois da decisão do tribunal, o jogador vai decidir se vai acompanhar a Copa América com a delegação ou entrará de férias.

“Essa decisão tem que ser tomada pelo jogador. Quando chegamos aqui, dissemos que tratamos os jogadores como homens que devem ter responsabilidade, não como meninos. É preciso analisar se será benéfico para a seleção ele ficar, se será produtivo”, afirmou o treinador.

“O Neymar tem que sentir de que forma pode colaborar, mesmo estando acostumado a jogar, aos holofotes, ou se é melhor sair para não transmitir a tristeza, a amargura, o que está dentro dele. Não queremos meninos, queremos homens e acreditamos nesses homens, são profissionais que representam o Brasil no mundo”, acrescentou.

O jogador ainda não comentou publicamente sobre a decisão do tribunal da Conmebol.

Dunga disse que não conversou com o jogador sobre a punição. “Lógico que ninguém gosta de ser suspenso. Não vamos conversar especificamente. As coisas acontecem no momento certo para não repeti-las. Temos que ter tranquilidade. Estamos aqui para eles [jogadores] crescerem, e não para achar um culpado”, disse o treinador. “Se cada um de nós cometesse um erro e fosse cortado, não estaríamos aqui agora”, completou.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir