Política

‘Causas do déficit não são as ações sociais, mas a dívida pública e os juros’, diz Vanessa Grazziotin

 

Para a senadora, não são as despesas sociais a causa principal do déficit público brasileiro - foto: divulgação/ Senado

Para a senadora, não são as despesas sociais a causa principal do déficit público brasileiro – foto: divulgação/ Senado

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdo-AM) criticou declarações do presidente interino, Michel Temer, de que “em determinado momento o governo irá tomar medidas impopulares”, acrescentando que não teme fazer isso porque não tem pretensão eleitoral. Para a senadora, as declarações de Temer dão a entender que o Brasil só pode superar a crise econômica retirando direitos dos trabalhadores, aumentando a idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres e retirando o direito das mulheres de se aposentarem mais cedo, além de flexibilizar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), retirando direitos trabalhistas.

Para Vanessa Grazziotin, não são as despesas sociais a causa principal do déficit público brasileiro. Para ela, a razão efetiva é a dívida pública e os juros altos que historicamente recaem sobre ela.

“O problema do Brasil é o nível de endividamento e quanto o pagamento dos serviços da dívida, o pagamento dos juros, consome do Poder Público. Se a presidente Dilma começou a perder apoio no Congresso Nacional foi exatamente durante o seu primeiro mandato, quando ela começou a baixar as taxas de juros”,  disse a senadora.

A senadora citou que o atual governo elevou o déficit orçamentário para R$ 170 bilhões para fazer demagogia durante o processo de impeachment da presidente Dilma e enquanto não ocorrem as eleições municipais. Um exemplo, segundo ela, é a renegociação das dívidas estaduais.

Vanessa Grazziotin informou, ainda, que está colhendo assinaturas de senadores em apoio a liberação pelo governo Temer de R$ 8 bilhões para os 14 estados mais pobres que têm um nível de endividamento baixo.

Agência Senado

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir