Política

Cassado, governador do Amazonas deve ficar no cargo até julgamento de recursos

 José Melo e José Henrique Oliveira foram cassados pelo TRE amazonense por envolvimento em um esquema de compra de votos nas eleições de 2014 - foto: Nathlie Brasil/Secom


José Melo e José Henrique Oliveira foram cassados pelo TRE amazonense por envolvimento em um esquema de compra de votos nas eleições de 2014 – foto: Nathlie Brasil/Secom

O governador do Amazonas, José Melo (Pros), e o vice, José Henrique Oliveira (Solidariedade), cassados ontem (25) pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), devem permanecer nos cargos até o julgamento dos recursos da defesa, segundo o assessor do jurídico do tribunal e professor de Direito Eleitoral, Leland Barroso.

O advogado de Melo, Yuri Dantas, informou que aguardará a publicação do acórdão do julgamento para avaliar as possibilidades de recurso: embargo de declaração no próprio TRE ou recurso ordinário no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A previsão é que o acórdão seja publicado em uma semana.

Embargo de declaração é um pedido para que se esclareça pontos da sentença que podem ter ficado obscuros, contraditórios ou ainda omissões. Recurso ordinário é uma tentativa de impugnar uma decisão.

“É possível a interposição de embargo de declaração, que é um recurso para o próprio tribunal no prazo de três dias. Mesmo que esses embargos não tivessem efeitos suspensivos da decisão, o tribunal, assim como o TSE, tem por praxe só executar a decisão após o julgamento dos embargos de declaração. Então, pelo menos enquanto não se julga os embargos de declaração, o governador fica no cargo”, explicou.

No entanto, de acordo com o consultor jurídico, mesmo após julgados os embargos de declaração, a defesa ainda pode recorrer ao TSE.

O TRE do Amazonas não se manifestou sobre a sucessão dos dirigentes do estado, caso a defesa não consiga reverter a cassação. Segundo Barroso, há duas possibilidades: realizar nova eleição ou entregar o posto ao segundo colocado no pleito de 2014, no caso, o atual ministro de Mimas e Energia, Eduardo Braga.

“A minirreforma eleitoral [Lei 13.165/2015] prevê uma eleição sempre que houver a cassação de registro de diploma de candidato majoritário. Mas, por outro lado, tem o princípio da anualidade, que uma das funções dele é evitar que a lei que altera o processo eleitoral seja aplicada para uma eleição anterior. Mas o tribunal não chegou a discutir isso”, afirmou o consultor jurídico.

José Melo e José Henrique Oliveira foram cassados pelo TRE amazonense por envolvimento em um esquema de compra de votos nas eleições de 2014. Eles também foram condenados a pagar multas que, somadas, ultrapassam R$ 80 mil.

Por Agência Brasil

1 Comment

1 Comment

  1. GILMAR BARBOSA

    27 de janeiro de 2016 at 00:22

    JUSTICA E JUSTICA NINGUEM PODE GANHAR COM DESLEALDADE A POLITICA, QUE POSSA SERVIR DE EXEMPLO PARA QUEM PENSA QUE A JUSTICA E CEGA, BALANCA ENGANOSA E ABOMINACOA POR ISSO QUE O BRASIL PASSA POR TANTA INJUSTICA SOCIAL POR CAUSA DA PRAGA DA CORRUPCAO QUE VEM DEVORANDO A RIQUEZA DO BRASIL ATRAVES DE FALSOS POLITICOS TIRANOS E CRUES QUE SO PENSAN EM SI E MAIS NADA, QUE A JUSTICA ALCANCE TODOS ESSES CORUPTOS E OS PUNAN,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir