Sem categoria

Casos de mãe precoce apresentam leve diminuição, no AM

Chegada inesperada de uma criança faz com que jovens se deparem com uma nova realidade - foto: Ione Moreno

Chegada inesperada de uma criança faz com que jovens se deparem com uma nova realidade – foto: Ione Moreno

No auge das brincadeiras infantis, 627 adolescentes, de 10 a 15 anos, deram à luz no Amazonas no primeiro semestre deste ano, conforme os dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS). O número é inferior ao registrado no mesmo período do ano passado – 695. São meninas mães que, na maioria dos casos, não estavam preparadas para a missão mais importante na vida de uma mulher.

“É um sofrimento. Primeiramente, não era o que elas esperavam. Nós tivemos um caso onde a adolescente veio para cá após a maternidade e ela teve depressão pós-parto. Foi um sofrimento muito grande. Graças a Deus, ela teve um parto normal, porque ela mesma se agredia, se espancava e dizia que ela queria matar aquela criança que estava dentro dela”, relata irmã Iran Nascimento, coordenadora da Casa Mamãe Margarida.

De acordo com ela, foi necessário deixar a jovem distante do filho por um bom período, até que o processo de aceitação obtivesse resultado. Um dos trabalhos realizado pela instituição é exatamente esse: orientar a mãe a como lidar com aquela vida que agora está em suas mãos. “Elas também rejeitam (ajuda) de imediato. Não querem (o filho), mas tiveram e terão de aprender a acolher”, observa.

Algumas, porém, apesar da pouca idade, adotam uma postura mais madura. Casos raros, segundo a irmã Iran. Ela ressalta que, além da pouca idade, muitas meninas abdicam de parte da infância e dos estudos para cuidar do filho. E é esse momento de transição o mais difícil após as adolescentes se tornarem mãe.

“Tem horas que elas se veem como mães e assumem a responsabilidade. Tem aquele momento também, em que elas querem viver de forma mais livre. E aí você tem que dizer: ‘olha, você já é mãe, tem de ter uma postura diferente’. Mas, querendo ou não, tem a infância, que às vezes foi sonegada, que ela não viveu e quer retomar. Tinha uma de 13 anos aqui, que quando conseguia entregar a criança para alguém, só queria saber de brincar”, cita a coordenadora da Casa Mamãe Margarida.

Descaso familiar

A história de uma jovem de 15 anos, moradora do bairro Novo Aleixo, Zona Norte da capital, ilustra a de centenas de adolescentes amazonenses que tiveram a experiência de ser mãe precocemente. Seduzida pelo vizinho 17 anos mais velho, ela não resistiu às investidas e, escondida dos pais, se relacionou com o rapaz. Resultado: gravidez indesejada, para o desespero da família da garota.

“Ele ficava botando as coisas na cabeça dela, oferecia presentes. A família não sabia de nada. O pai não sabia o que fazer quando nos procurou. Encaminhamos para a Defensoria Pública e antes mesmo da criança nascer ele começou a pagar pensão. O próprio vizinho se comprometeu a ajudar. Depois, ela abandonou os estudos, mas agora já voltou a frequentar as aulas”, conta o coordenador do Conselho Tutelar da Zona Leste I, Johnny Menezes.

Segundo ele, os fatores para o elevado número de “mães meninas” são os mais diversos. A falta de conversa com os pais e a influência da televisão são apenas alguns. Como passam muito tempo sozinhas em casa – já que na maioria das vezes os responsáveis saem de casa antes mesmo de o sol raiar e só voltam ao anoitecer -, ficam vulneráveis e acabam cedendo quando um homem tenta tirar proveito da situação.

“Falta diálogo entre pais e filhos. Hoje, os adolescentes acreditam mais nas conversas dos colegas de rua do que nos conselhos dos pais. A maioria dos pais sai 5h e muitos jovens ficam em casa sozinhos, aí acontece esse tipo de caso”, explica Menezes, que afirma ser comum casos de gravidez precoce na zona em que atua.

Por André Tobias

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir