Dia a dia

Casos de HIV/AIDS entre jovens crescem 85% no Amazonas

 

Dos casos registrados de 2001 a 20015, 82% estão concentrados na capital – Divulgação

O Amazonas possui mais de 15 mil casos de HIV/aids registrados na Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD). A contabilização foi realizada desde 1986, ano do primeiro caso, até hoje. Jovens do sexo masculino é o perfil dos amazonenses mais infectados.

A coordenadora Estadual DST/Aids e hepatites virais, a infectologista Silvana de Lima e Silva, explica que é necessário um trabalho de conscientização com esse público. “O Boletim de Epidemiologia do Ministério da Saúde aponta crescimento em homens jovens infectados com o vírus. Faremos um encontro no fim desse mês para discutir que estratégias para conscientizar esse público, porque o trabalho de redução dos casos está ligado à mudança de comportamento e que façam os exames pelo menos uma vez por ano”, explicou. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), os casos de HIV/aids em jovens de 15 a 24 anos cresceram 85% nos últimos 10 anos. A FMT-HVD, responsável pelo mapeamento de infectados no Amazonas, registrou 12.031 casos no período de 2001 a agosto de 2016, desse montante 82,5% são na capital.

Em sequência, o município de Parintins (a 369,63 quilômetros) ocupa a segunda posição com 253 infectados, em terceiro Tabatinga contabilizou 213 (a 1108.4 quilômetros) e em quarto lugar Itacoatiara (a 176,09 quilômetros) com 208 casos.

Em números nacionais, o Boletim Epidemiológico de HIV e Aids do MS, divulgado no final do ano passado, apontou 827 mil pessoas vivem com o HIV. O governo federal afirmar que a epidemia no Brasil está estabilizada, com taxa de detecção em torno de 19,1 casos a cada 100 mil habitantes, representando 40,9 mil casos novos, em média, no período de 2010 a 2015. No Brasil, segundo o órgão federal, 260 mil pessoas vivem com HIV e ainda não estão em tratamento. Ele também aponta que 112 mil brasileiros que têm o vírus e não sabem disso.

A Fundação de Medicina Tropical é referência no tratamento da doença – Divulgação

Faixas etárias

Outro dado importante revelado pelo MS é que, dentre todas as faixas etárias, a adesão ao tratamento do grupo jovens é a mais baixa. Apenas 29,2% dos 44 mil deles foram identificados no Sistema Único de Saúde (SUS) com a doença estão em tratamento. Os números mostram que a cobertura cresce à medida que aumenta a idade das pessoas vivendo com HIV e aids. Na faixa de 25 a 34 anos, esse percentual é de 77,5%, mantendo-se superior a 80% em todas as outras faixas etárias até chegar a 84,3% entre os indivíduos acima de 50 anos.

Bárbara Costa
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir