Dia a dia

Casos de hanseníase têm queda de 80% no Estado

A Fundação Alfredo da Matta está localizada no bairro da Cachoeirinha, Zona Centro-Sul de Manaus - foto:divulgação

A Fundação Alfredo da Matta está localizada no bairro da Cachoeirinha, Zona Centro-Sul de Manaus – foto:divulgação

O quadro da hanseníase no Estado do Amazonas tem mudado gradativamente devido às ações de controle e monitoramento da doença implementadas pelo governo do Amazonas, por meio da Fundação Alfredo da Matta (Fuam), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

A Fuam tem feito ações de detecção e tratamento da hanseníase e capacitação de profissionais na capital e no interior do Amazonas para garantir a qualidade na saúde pública do Estado.

A hanseníase é uma doença que se manifesta por meio de sinais e sintomas como lesões de pele, com diminuição ou ausência de sensibilidade. A doença é causada pelo bacilo Mycobacterium Leprae, não é hereditária e sua evolução depende de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada.

Conforme os dados do Departamento de Controle de Doenças e Epidemiologia da Fuam, o Amazonas registrou uma redução de 80% da incidência da doença, passando de 69 casos a cada cem mil habitantes, em 1989, para 14 casos a cada cem mil habitantes, em 2014.

A Fundação Alfredo da Matta está localizada no bairro da Cachoeirinha, Zona Centro-Sul de Manaus, e é referência no tratamento da hanseníase na região Norte há 60 anos. Nesta semana, diversos profissionais da área da saúde participam na instituição de um curso sobre baciloscopia, um exame próprio para a detecção da hanseníase. O treinamento é baseado no Guia de Procedimentos Técnicos de Baciloscopia em Hanseníase feito pelo Ministério da Saúde, em 2010.

O foco principal da capacitação é o diagnóstico da hanseníase, além de outras abordagens acerca da doença, segundo o coordenador do curso, o farmacêutico e bioquímico Everton Sales.

“Temos um trabalho específico de laboratório de combate à hanseníase na Fundação (Alfredo da Matta), com a técnica padronizada nacionalmente pelo Ministério da Saúde. E essa capacitação vai ajudar a instruir mais profissionais para realizar um trabalho com mais qualidade na questão do diagnóstico e tratamento da hanseníase”, afirmou.

Casos no interior
Em 2014, foram diagnosticados 557 casos no Amazonas. Desse total, o relatório da Fuam aponta que 215 (38,6%) eram pessoas residentes em Manaus e 342 (61,4%) no interior. Os municípios amazonenses que apresentaram os maiores casos de hanseníase foram Humaitá com 38 casos; Eirunepé (24); Itacoatiara (23); Parintins (19); Iranduba (18); Autazes (13); Lábrea (13); Tapauá (13) e Carauari (13).

Essas regiões apresentam as maiores incidências da doença no Estado. Para tanto, há um apoio da Fundação Alfredo da Matta com serviços de controle de medicamentos para que se tenha um eficaz abastecimento de medicação, além de capacitação de profissão. as maiores incidências da doença +o Estado. Para tanto, há um apoio da Fundação Alfredo da Matta com serviços de controle de medicamentos para que se tenha um eficaz abastecimento de medicação, além de capacitação de profissionais para aperfeiçoamento na busca de casos e controle da hanseníase.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir