Cultura

Carla Camurati e Bruno Barreto substituem jurados que deixaram comissão do Oscar

Os cineastas Carla Camurati e Bruno Barreto serão os substitutos da atriz Ingra Liberato e do diretor Guilherme Fiuza na comissão especial responsável pela seleção do longa-metragem a ser indicado pelo Brasil para concorrer ao Oscar 2017 na categoria melhor filme em língua estrangeira. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (1º) pelo Ministério da Cultura. Ingra e Fiuza deixaram a comissão após polêmicas em torno do filme Aquarius, do diretor Kleber Mendonça Filho.

Atriz nos anos de 1980, Carla Camurati é responsável por filmes de sucesso como Carlota Joaquina, Princesa do Brasil. Já Bruno Barreto dirigiu o premiado filme O que É isso, Companheiro?, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1998.

No início de agosto, a Secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura divulgou a composição da comissão do Oscar, formada também por Adriana Rattes, Luiz Alberto Rodrigues (Beto Rodrigues), George Torquato Firmeza, Marcos Petrucelli, Paulo de Tarso Basto Menelau, Silvia Maria Sachs Rabello e Sylvia Regina Bahiense Naves.

Ingra e Fiuza discordaram da indicação do crítico de cinema Marcos Petrucelli, considerando que ele não tinha isenção para a função depois de fazer duras críticas ao protesto do diretor Kleber Mendonça Filho e atores do filme Aquarius, durante o Festival de Cinema de Cannes, na França, em maio. Ao subir ao tapete vermelho, a equipe exibiu cartazes com frases como: ‘Um golpe de Estado ocorreu no Brasil’, ‘Brasil vive um golpe de Estado’, ‘O mundo não pode aceitar um governo ilegítimo’ e ‘54.501.118 de votos queimados!’.

Petrucelli, que considerou a manifestação da equipe de Aquarius uma “bela estratégia para aparecer para o mundo”, disse que a crítica foi feita antes de saber que seria convidado para integrar a comissão do Oscar.

Em comunicado divulgado nas redes sociais, Ingra Liberato disse que decidiu deixar a comissão porque esta “tem sua legitimidade questionada por grande parte da classe artística”. Já Fiuza alegou apenas questões pessoais.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir