Cultura

Cantora amazonense Anne Jezini vai lançar novo álbum, em julho

JEZINI

Além dos investimentos pessoais, Jezini concorreu ao Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e foi selecionada – foto: divulgação

Com investimento em torno de 70% pessoal, a cantora e compositora amazonense Anne Jezini, lançará o single Susto e suor no próximo dia 22 de junho e o disponibilizará para download em seu site (annejezini.com) e nas plataformas Soundcloud e TNB (Toque no Brasil).


A composição faz parte do álbum “Toda queda guarda um susto”, formado por dez faixas e que será lançado no dia 7 de julho.

“É um trabalho de garra devido à falta de uma lei local de incentivo à cultura. Parte dos investimentos para esse álbum, acumulei fazendo shows ou outros trabalhos, como merchandising. Não tem sido um terreno fértil de apoio para todos os artistas locais, mas com muita luta, teremos um bom resultado”. O site da cantora está em construção, mas até o lançamento do single será liberado para o acesso dos fãs. Quem garante é a própria artista.

Além dos investimentos pessoais, Jezini concorreu ao Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e foi selecionada. “Para essa fase, vou direcionar esse prêmio para a finalização e divulgação do álbum”, contou.

Bateria eletrônica

O single, segundo Jezini, é inspirado na bateria eletrônica de Cabo Verde (África).

“A letra reflete minhas experiências pessoais, uma reflexão sobre a vida. Na época, estava em término de namoro. Já a música é inspirada na bateria eletrônica de Cabo Verde. Eu ouvia Dino D’ Santiago, um cantor de sucesso por lá, e eu me apaixonei pela sonoridade e quis de alguma forma inserir nessa composição”, disse.

O single já embalou o público nos festivais “Pirão” e “Até o Tucupi”. “Há 2 anos ele faz parte das minhas apresentações”, enfatiza a cantora.

O trabalho combina, ainda, sonoridades amazônicas, ritmos latinos, samba, hip-hop e jazz, com muitas texturas de sintetizadores do rock alternativo.

Produzido e arranjado pelo músico e produtor musical amazonense Rosivaldo Cordeiro, conhecido pelo seu trabalho de resgate à guitarrada amazonense intitulado “Guitarreiro”, bem como pelos grupos como “Carrapicho”, “Jacobiando” e “Imbaúba”.

A finalização foi realizada nos Estudios Davout, em Paris, sob o conceito de mixagem e masterização do engenheiro de áudio Jean-Loup Morette, com experiência em álbuns de Cesárea Évora e Talking Heads.

Por Cleidimar Pedroso (equipe Jornal EM TEMPO)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir