Sem categoria

Campanha da fraternidade ganha tom político na CMM

Regimento do Legislativo municipal estava sendo reformulado pelos parlamentares de 2013, e seguiram até 2015 – foto: arquivo AET

Regimento do Legislativo municipal estava sendo reformulado pelos parlamentares de 2013, e seguiram até 2015 – foto: arquivo AET

Em ano eleitoral, os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) aproveitaram a sessão especial que tratou sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016, ontem, para criticar a administração municipal pela, segundo eles, falta de saneamento básico na cidade.

O foco da campanha da fraternidade deste ano é levantar o questionamento sobre o saneamento básico, o desenvolvimento, a saúde integral e a qualidade de vida. O assunto ganhou cunho político tanto para aliados quanto para vereadores que fazem oposição ao Executivo municipal na CMM.

A discussão sobre a campanha da fraternidade ecumênica, que tem como foco o saneamento básico, foi proposta pelos vereadores Professor Bibiano (PT), Waldemir José (PT), Rosivaldo Cordovil (PTN) e Elias Emanuel (PSDB) e contou com a presença do padre Charles Cunha da Silva, vice-presidente do Conselho Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)/Amazonas.

Segundo o vereador professor Bibiano Garcia (PT), em Manaus existe 10% do tratamento de esgoto, distribuição de água com constantes interrupções nas zonas Norte e Leste, além de 360 lixões clandestinos espalhados pela cidade.

“Os nossos rios e igarapés estão todos poluídos. Para mudar esse quadro é preciso mais que a conscientização do povo, que é o objetivo da campanha da fraternidade, mas também, mas também um plano municipal de saneamento básico”, disse o vereador.

O vereador Mário Frota (PSDB), aliado do Executivo municipal, fez duras críticas em relação a falta de projetos referentes ao saneamento básico.

“Manaus era para ser o primor das cidades do Brasil, com um trato muito especial em relação a questão do meio ambiente. O Prosamim foi um bom projeto, mas onde estão as estações de tratamento de esgoto? As águas estão sendo despejadas diretamente no rio”, disse Frota.

 

Conscientização

O líder do governo da CMM, vereador Elias Emanuel (PSDB), disse cerca de 20% dos domicílios de Manaus tem um sistema de esgotamento sanitário.

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Wilker Barreto (PHS), defendeu uma mudança de hábito e quebra de paradigmas para melhorar o meio ambiente.

“Temos moradores que não têm coragem de limpar suas calçadas e capinar, como se isso fosse atribuição somente do poder público. Temos que zelar pelo nosso meio ambiente”, disse Wilker.

Segundo o presidente, último estudo das empresas de saneamento, calcula que no ritmo de investimento que temos hoje, o Brasil precisa de 50 anos para acabar com a problemática de saneamento, o que custaria algo em torno de R$ 40 bilhões.

 

Da redação

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir