Eleições 2016

Cai em 40% o número de candidaturas do PT no AM

ara demarcar território e resgatar o papel do Partido dos Trabalhadores na política partidária, a sigla decidiu lançar candidato a prefeito de Manaus, apostando no deputado José Ricardo (no centro) para a disputa - foto: Marcio Melo

ara demarcar território e resgatar o papel do Partido dos Trabalhadores na política partidária, a sigla decidiu lançar candidato a prefeito de Manaus, apostando no deputado José Ricardo (no centro) para a disputa – foto: Marcio Melo

Imerso em uma crise política profunda, que abalou toda a história de sua criação com os sucessivos escândalos de corrupção, o Partido dos Trabalhadores (PT) tenta se reerguer politicamente e aposta nestas eleições municipais para eleger representantes em diversas cidades do país. Mas, no Amazonas, os números mostram uma queda de candidaturas majoritárias e proporcionais neste pleito, em relação às eleições de 2012.

Levantamento feito pela equipe do EM TEMPO, com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mostra que neste pleito o PT registrou pedido de apenas nove candidatos a prefeito em todo o Estado para disputar esta eleição, o que representa uma redução de 40% em relação ao pleito de 2012, quando 15 prefeituráveis estavam na disputa. Candidaturas para o cargo de vice também caíram, de 15 em 2012, para dez este ano, o que representa 33,3% a menos.

Já para o cargo de vereador, o PT teve uma queda brusca de 60,15% de candidaturas neste ano em relação ao pleito de 2012. Naquele ano, foram registradas 537 candidaturas a vereador em todo o Estado. Neste pleito, apenas 214 nomes irão disputar vagas nas câmaras municipais pelo partido.

De acordo com o presidente estadual da legenda, Valdemir Santana, a redução se deu pelas coligações que o partido fez com outras legendas nos municípios do Amazonas. “Antigamente, fazíamos chapa única e agora resolvemos nos coligar para majoritário e proporcional, para unificar a força. Nós estamos lançando candidatos onde achamos que há possibilidade de disputar eleição municipal. No caso de Manaus, nós temos o PCdoB formando duas chapas”.

Questionado sobre a queda do número de candidaturas para vereador, o dirigente justificou que é por conta dos “chapões”, compostos pelas coligações. “Quando você se coliga, continua o mesmo número de 62. Mas, é preciso dividir com os outros partidos as vagas, conforme a lei. A nossa ideia é repetir ou aumentar o número de vereadores em Manaus e no interior. Em todos os municípios nós temos candidatos”, minimizou Valdemir, destacando que a participação do PT continua firme em direitos dos trabalhadores.

“Em Itacoatiara, temos Antônio Peixoto (PT), candidato a prefeito, junto com o seu vice, Doutor Gustavo Braz (PMDB), e mais outros cinco partidos formando coligação. Já em Parintins, colocamos um nome para ser vice-prefeito, junto também com o PMDB. E onde é possível nós estamos fazendo, conforme a resolução partidária, para tentar ganhar a eleição”, ressaltou o dirigente.

Desgaste de imagem seria a causa

Na avaliação do cientista político Carlos Santiago, a redução de candidaturas petistas nas eleições no Amazonas, nas eleições deste ano, é uma forma de o partido se recolher para levantar a sua base, já que nos últimos 4 anos a sigla passou por um desgaste de imagem, por consequência das revelações da operação Lava Jato, o fim das doações empresariais para campanhas e o processo de impeachment que a presidente afastada Dilma Rousseff enfrenta desde o primeiro semestre do ano.

“Nas eleições anteriores, o PT era uma vitrine de administração, tanto estadual quanto municipal, bastante positiva, com crescimento das empresas e programas sociais. Isso embalava o partido no Amazonas no lançamento de candidatos. Porém, por conta dessa onda moralista, abalou, criando uma imagem negativa”, disse Carlos.

Segundo ele, esse cenário de descrédito do partido faz com que se recolha para analisar, de longe, quais as possibilidades reais de disputar as eleições, deixando outros partidos assumirem o protagonismo e diminuindo o número de candidatos a vereadores e prefeitos. “Nas próximas eleições, dependendo muito do desdobramento que está acontecendo no Brasil, vamos ver como sairá o Partido dos Trabalhadores. Não dá para apontar uma direção correta para o futuro, porque política muda muito”, analisou.

Os candidatos a prefeito do PT no Amazonas neste pleito são: o deputado José Ricardo (Manaus); Padre Carlos Góes (Maués); Antônio Peixoto (Itacoatiara); Paulo Freire (Manacapuru); Professora Ranilde (Careiro); Clóvis Cubão (São Gabriel da Cachoeira); Susy (Carauari); Tota (Atalaia do Norte); e Sabugo (Urucurituba).

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir