Economia

Caçambeiros e garis terceirizados da Semulsp cruzam os braços por falta de pagamentos

A categoria paralisou os serviços por falta de pagamentos e melhores condições de trabalho. Foto: Equipe EM TEMPO online.

A categoria paralisou os serviços por falta de pagamentos e melhores condições de trabalho. Foto: Equipe EM TEMPO online.

 

Um grupo de motoristas de caçambas e garis, que prestam serviços terceirizados à Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), cruzou os braços na manhã desta sexta-feira (12). A categoria paralisou os serviços por falta de pagamentos e melhores condições de trabalho.

O protesto acontece na praça do conjunto Petros, localizado no bairro Coroado, Zona Leste da cidade. Segundo o motorista Felix Roberto, cerca de 45 condutores de carreta, dos três turnos, estão sem receber pagamentos há três meses.

“Nós recebemos por quinzena e já estamos sem receber há seis, que equivale há três meses. Já estamos entrando no sétima e não temos resposta da empresa”, comentou.

O motorista ainda reclamou da falta de manutenção dos veículos como pneus carecas e péssimo estado de conservação das caçambas.
De acordo com o gari da empresa Futerecom Construções e Serviços, Marco Silva Santos, 80 garis estão sem receber hora extras e, além disso, também reivindicam aumento do valor da cesta básica.

“Já estamos desde 2013 trabalhando aos domingos e eles não pagam nossas horas extras. Também recebemos atrasados o valor da cesta básica e o que eles nos pagam não da pra nada”, disse.

Os servidores ainda exigiram representatividade, pois, de acordo com eles, pagam todos os meses a taxa do sindicato, mas nunca foram oficialmente sindicalizados.

A reportagem do EM TEMPO Online entrou em contato com a assessoria da Semulsp e com a empresa Futerecom Construções e Serviços, que ficaram de enviar uma nota a respeito do assunto.

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir