Esportes

Brasileiros quebram protocolo de boas-vindas e fazem festa na Vila dos Atletas

 Atletas paralímpicos brasileiros foram recepcionados na Vila Paralímpica com um espetáculo de dança e música – foto: Tomaz Silva/ABr


Atletas paralímpicos brasileiros foram recepcionados na Vila Paralímpica com um espetáculo de dança e música – foto: Tomaz Silva/ABr

A cerimônia de boas-vindas à Vila Paralímpica faz parte do protocolo da entrada das delegações no condomínio de 21 prédios erguido para acolher atletas olímpicos e paralímpicos. Cada uma das 160 delegações presentes nos Jogos Paralímpicos, independente do número de atletas, passou pela zona internacional para a breve solenidade de acolhida, que seguiu um mesmo roteiro durante todas as apresentações e que começaram no sábado passado (3).

Na noite desta terça-feira (6), a Vila dos Atletas fez as honras para aqueles que estão se sentindo em casa desde o primeiro momento: os 286 atletas do time brasileiro. O Brasil foi o último país a ser oficialmente recepcionado, e os anfitriões tiveram a liberdade de fugir um pouco da sequência pré-estabelecida.

Depois de um espetáculo de música e dança, que passa por ritmos como as canções tradicionais indígenas, a batida afro, o samba, o baião e o xote, o frevo, as marchinhas de carnaval, a bossa-nova e a MPB e evoca elementos da natureza, a cerimônia seguiu com as palavras da prefeita da Vila, a ex-jogadora de basquete Janeth Arcain, e da vice-prefeita Ádria Santos, corredora cega que colecionou 13 medalhas paralímpicas ao longo da carreira.

Hino
Em um discurso comum a todos os atletas, as responsáveis pela Vila valorizam o tamanho do feito dos paratletas. “Sabemos como vocês treinaram para estar aqui. Foram horas e horas de dedicação, anos e anos de garra e superação. Agora, os sonhos de vocês se realizaram”, reforçou Janeth. “Este é o início de grandes histórias. É o começo da nossa história”, vibrou Ádria.

Depois da execução do hino paralímpico, foi a vez da bandeira brasileira ser hasteada, ao som do hino nacional. O rito previa que apenas a primeira parte do hino fosse entoada, o que foi subvertido pela delegação do Brasil: o time inteiro, em uníssono, cantou a segunda parte a capela, emocionando vários integrantes da delegação.

Roseane Ferreira dos Santos, a Rosinha, foi uma das que não conseguiu conter as lágrimas. “Nessas horas, passa um filme na sua cabeça, lembrando tudo que eu passei para estar aqui. Esta é a minha quarta Paralimpíada e acho que essa foi a cerimônia mais importante da minha vida de atleta, porque é na minha casa. É diferente de tudo que eu já vi. Agora caiu a ficha que os Jogos Paralímpicos começaram”.

Com dois ouros no arremesso de peso nos Jogos de Sydney, em 2000, a atleta da classe F57 temeu não estar naquela praça para mais uma cerimônia de boas-vindas: no meio do caminho até as Paralimpíadas do Rio de Janeiro, Rosinha venceu um câncer na garganta (leia mais).

“Sempre que eu passava em frente à Vila, quando ainda estava em construção, eu sempre dizia que queria entrar como atleta. E estou aqui dentro como atleta”.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir