Esportes

Brasil supera campanha de 2011 e é segundo na natação em Toronto

O Brasil terminou em segundo lugar no quadro de medalhas particular da natação do Pan de Toronto, atrás dos Estados Unidos, pelo critério de acúmulo de medalhas de ouro.

A equipe obteve 26 pódios. Foram dez ouros, seis pratas e dez bronzes. Os norte-americanos saíram do centro aquático da metrópole com 32 láureas (12 ouros, dez pratas e dez bronzes).

Os anfitriões canadenses até tiveram mais conquistas do que o Brasil (27 x 26), mas apenas oito ouros. Somente dez dos 41 participantes do Pan foram ao pódio na natação.

Em Guadalajara-2011, a equipe brasileira obteve 24 medalhas, das quais dez de ouro, oito de prata e seis de bronzes.

O destaque, então, foi Cesar Cielo, que triunfou nos 50 m livre, 100 m livre e os revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 100 m medley.

Cielo optou por não ir a Toronto para privilegiar a preparação para o Mundial de Kazan, cujas provas de natação ocorrerão de 2 a 9 de agosto. Ele faz sua aclimatação em centro de alto rendimento em Eindhoven, na Holanda.

Sem o astro, dois atletas dividiram os holofotes: Thiago Pereira, que bateu o recorde como maior medalhista da história dos Jogos Pan-Americanos (23), e João de Lucca.

Assim como Pereira, De Lucca conquistou múltiplas láureas, mas com uma diferença. Ele saiu da competição com aproveitamento de 100%: faturou ouros nos 200 m livre e nos revezamentos 4 x 100 m e 4 x 200 m livre.

Já Pereira ultrapassou o ex-ginasta cubano Erick Lopez e encerrou sua participação em Toronto com cinco pódios (três ouros, uma prata e um bronze).

A trajetória foi acidentada. Na quinta-feira (16), ele venceu os 400 m medley, mas acabou desclassificado por um árbitro por fazer uma virada irregular.

Neste sábado, ele levou a prata nos 200 m medley e um ouro no 4 x 100 m medley -não disputou as eliminatórias, apenas as finais.

O feminino também brilhou. Etiene Medeiros conquistou, nos 100 m costas, o primeiro ouro oficial da história das mulheres na natação no Pan. Duas conquistas de Rebecca Gusmão no Pan do Rio-2007 foram anuladas por doping.

Além de Etiene, que também foi ao pódio nos 50 m livre e nos revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 100 m medley, outras atletas brilharam.

Joanna Maranhão, por exemplo, melhorou seu recorde brasileiro nos 400 m medley depois de 11 anos.

E os revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 200 m livre melhoraram por quatro e sete segundos, respectivamente, os recordes sul-americanos da prova.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir