Esportes

Brasil supera campanha de 2011 e é segundo na natação em Toronto

O Brasil terminou em segundo lugar no quadro de medalhas particular da natação do Pan de Toronto, atrás dos Estados Unidos, pelo critério de acúmulo de medalhas de ouro.

A equipe obteve 26 pódios. Foram dez ouros, seis pratas e dez bronzes. Os norte-americanos saíram do centro aquático da metrópole com 32 láureas (12 ouros, dez pratas e dez bronzes).

Os anfitriões canadenses até tiveram mais conquistas do que o Brasil (27 x 26), mas apenas oito ouros. Somente dez dos 41 participantes do Pan foram ao pódio na natação.

Em Guadalajara-2011, a equipe brasileira obteve 24 medalhas, das quais dez de ouro, oito de prata e seis de bronzes.

O destaque, então, foi Cesar Cielo, que triunfou nos 50 m livre, 100 m livre e os revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 100 m medley.

Cielo optou por não ir a Toronto para privilegiar a preparação para o Mundial de Kazan, cujas provas de natação ocorrerão de 2 a 9 de agosto. Ele faz sua aclimatação em centro de alto rendimento em Eindhoven, na Holanda.

Sem o astro, dois atletas dividiram os holofotes: Thiago Pereira, que bateu o recorde como maior medalhista da história dos Jogos Pan-Americanos (23), e João de Lucca.

Assim como Pereira, De Lucca conquistou múltiplas láureas, mas com uma diferença. Ele saiu da competição com aproveitamento de 100%: faturou ouros nos 200 m livre e nos revezamentos 4 x 100 m e 4 x 200 m livre.

Já Pereira ultrapassou o ex-ginasta cubano Erick Lopez e encerrou sua participação em Toronto com cinco pódios (três ouros, uma prata e um bronze).

A trajetória foi acidentada. Na quinta-feira (16), ele venceu os 400 m medley, mas acabou desclassificado por um árbitro por fazer uma virada irregular.

Neste sábado, ele levou a prata nos 200 m medley e um ouro no 4 x 100 m medley -não disputou as eliminatórias, apenas as finais.

O feminino também brilhou. Etiene Medeiros conquistou, nos 100 m costas, o primeiro ouro oficial da história das mulheres na natação no Pan. Duas conquistas de Rebecca Gusmão no Pan do Rio-2007 foram anuladas por doping.

Além de Etiene, que também foi ao pódio nos 50 m livre e nos revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 100 m medley, outras atletas brilharam.

Joanna Maranhão, por exemplo, melhorou seu recorde brasileiro nos 400 m medley depois de 11 anos.

E os revezamentos 4 x 100 m livre e 4 x 200 m livre melhoraram por quatro e sete segundos, respectivamente, os recordes sul-americanos da prova.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir