Esportes

Brasil não consegue superar grupo fraco e é eliminado

No maior vexame do futebol brasileiro depois do 7 a 1 na Copa de 2014, o Brasil foi eliminado na primeira fase da Copa América Centenário ao perder para o Peru por 1 a 0, neste domingo, em Foxborough, ao lado de Boston.

O time não caía na 1ª fase da competição desde 1987.

O resultado é ainda mais expressivo pela fragilidade do grupo, o B, com Peru, Equador e Haiti, um dos mais fracos do torneio, e pode significar o fim da segunda era Dunga na seleção brasileira.

O presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, já havia avisado aliados que usaria a competição para analisar o trabalho do técnico, que não agradava. O Brasil caiu nas quartas de final da Copa América 2015 e está apenas em sexto nas eliminatórias para a Copa-2018, o que o deixaria fora do Mundial.

A decisão deve ser tomada por Del Nero nos próximos dias –seria necessário definir como ficará a questão da seleção olímpica, também sob comando de Dunga, e que tem convocação dia 29 de junho para a Rio-2016.
Tite é o preferido de parte da cúpula da entidade.

É fato, porém, que o jogo foi marcado por uma arbitragem desastrosa.

O gol marcado por Ruidíaz, aos 29 minutos do segundo tempo, foi com o braço. Os brasileiros reclamaram, o árbitro uruguaio Andres Cunha demorou para o confirmar o gol, e, aparentemente, consultou alguém fora de campo para checar a jogada.

Depois de mais de um minuto falando em um fone, e ao lado do auxiliar Nicolas Taran, que não havia corrido ao meio de campo, ele acabou confirmando o gol.

O Peru já havia tido um pênalti, não marcado, no primeiro tempo, quando Renato Augusto derrubou Flores.
Após o gol, Dunga, que havia feito apenas uma alteração, Hulk por Gabriel, não trocou mais -uma das críticas internas a ele é que demora a mexer no time e, quando o faz, não surte efeito.

NO INÍCIO

Dunga fez uma mudança ousada para iniciar a partida, escalando a seleção sem um primeiro volante de origem.
Para a vaga de Casemiro, suspenso por dois cartões amarelos, Lucas Lima, meia armador, foi o escolhido e mudou o esquema do time.

Com o santista, Renato Augusto, também meia, foi para primeiro volante, com Elias o auxiliando na marcação. Lucas Lima, mais centralizado, deveria ser o distribuidor para o trio ofensivo.

Na frente, novidade foi Gabriel de centroavante, no lugar de Jonas. Willian, na direita, e Philippe Coutinho, jogavam abertos, como sempre.

O Brasil teve a posse de bola, finalizou ao menos três vezes com perigo na primeira etapa, mas um problema aparecia: a distância entre os quatro homens da frente.

Lucas Lima não rendeu. A ponto de no segundo tempo Renato Augusto se adiantar, com Elias mais recuado, para ajudar na armação com passes mais longos. Foram ao menos dois, com precisão, mas sem boa conclusão de Willian e Lucas Lima.

O gol peruano saiu em um contra-ataque, fragilidade do time na competição. Elias, no finalzinho, ainda perdeu gol feito, na cara do goleiro rival.

BRASIL
Alisson; Daniel Alves, Miranda, Gil e Filipe Luis; Elias, Renato Augusto (CA) e Lucas Lima (CA); Willian, Gabriel (Hulk) e Philippe Coutinho. T: Dunga

PERU
Gallase; Corzo, Rodriguez, Ramos e Trauco; Vilchez, Balbin (Yotun), Polo e Cueva; Edson Flores (Ruidíaz) e Paolo Guerrero. T: Ricardo Gareca

Estádio: Gillette Stadium, em Foxborough (EUA)
Árbitro: Andres Cunha (Uruguai)
Público: 36.187 pagantes
Gol: Ruidíaz, aos 29 min do 2° tempo

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir