Esportes

Brasil ganha medalha no taekwondo e planeja focar em adversários asiáticos

Talisca Reis (3ª D) ganhou o ouro em evento-teste no Rio - foto: divulgação

Talisca Reis (3ª D) ganhou o ouro em evento-teste no Rio – foto: divulgação

A seleção brasileira de taekwondo estuda a possibilidade de um treinamento na Coreia do Sul ainda neste semestre para preparar os atletas para confrontos contra adversários asiáticos, considerados oponentes fortes nesta modalidade esportiva. O Brasil encerrou  nesse domingo (21) a participação no Torneio Internacional de Taekwondo, evento-teste para a Olimpíada, com uma medalha de ouro e a impressão de que é preciso focar nos atletas do outro lado do mundo.

“Um ponto que entendemos é que precisamos trabalhar um pouco contra os asiáticos. Eles vieram com um grupo forte, e tivemos dificuldades em várias lutas e vários momentos”, disse o diretor técnico da seleção, Alexandre Lima. Ele disse que está sendo considerada a possibilidade de um treinamento fora do país. “A gente precisa dar uma lapidada. Já entramos em contato para a possibilidade de preparar um camping na Coreia, para buscar reduzir essa distância.”

A proposta ainda esbarra na viabilidade financeira de levar atletas para um país tão distante, o que ainda está em estudo. Também não foi definido ainda o time que representará o Brasil nos Jogos, o que só deve acontecer no dia 6 de março, quando será realizada a última seletiva brasileira para as olimpíadas.

A medalhista da categoria até 49 quilos no evento-teste, Talisca Reis, disputa uma vaga de reserva de Iris Tang Sing com Nathalia Lima, que ficou em quarto lugar na mesma categoria. Talisca levou o ouro em uma vitória contra a tailantesa Charanavat Napaporn.

Também estão em disputa a vaga feminina na categoria até 57 quilos, em que disputam Juliana Vasconcelos, Rafaela Araújo e Talita Djalma; a da categoria masculina até 58 quilos, disputada por Venilton Teixeira, João Miguel e Leonardo Moraes; e a da categoria acima de 80 quilos, por Guilherme Félix, Michael Barros e André Bilia.

Com o fim do evento-teste, os atletas continuam em contato com adversários estrangeiros, porque a seleção da França ficou no Rio de Janeiro para um treinamento conjunto de uma semana com os brasileiros. “Foi uma programação feita com a solicitação da seleção francesa, para aproveitar o evento. Como vieram com uma equipe forte, foi bem interessante fazermos.”

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir