Esportes

Bradesco e Nike vão pagar dívida para basquete brasileiro estar na Rio-2016

Os dois patrocinadores privados da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) vão pagar a dívida do país com a Federação Internacional da Modalidade (Fiba) e, assim, garantir as vagas das seleções nacionais nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016.

A informação foi confirmada à Folha por um integrante da alta cúpula da Fiba, que está otimista em relação à decisão que será tomada em 8 de agosto, em Tóquio, pelos 26 membros do conselho da entidade que comanda o basquete mundial.

Por causa dessa dívida, a Fiba ainda não confirmou as vagas do Brasil na Rio-2016 -às quais teria direito por ser país-sede da competição.

Os valores não são revelados, mas ainda falta pagar cerca de US$ 700 mil (mais de R$ 2 milhões) referente ao convite que o país recebeu para jogar o Mundial da Espanha, em 2014, pois não conseguiram a classificação na Copa América).

Não há um brasileiro sequer entre os 26 dirigentes que decidirão entre a classificação direta das seleções masculina e feminina aos Jogos de 2016 ou a participação nos pré-olímpicos continentais que serão disputados de 9 a 16 de agosto (feminino) e de 31 de agosto a 12 de setembro (masculino).

O Brasil precisa apenas da maioria simples do conselho, ou seja, 14 votos, para obter a vaga. Este sistema deixa a alta cúpula da Fiba, que acredita na presença do Brasil nos Jogos em casa, otimista.

O fator determinante foi a proposta de pagamento apresentada em reunião do último sábado (18), em Toronto, durante os Jogos Pan-Americanos.

Estavam presentes no encontro o presidente do comitê organizador da Rio-2016 e do Comitê Olímpico do Brasil, Carlos Arthur Nuzman, e o mandatário da CBB, Carlos Nunes. Ambos explicaram aos cartolas da Fiba que o governo brasileiro não poderia arcar com custos, porque não teria como explicar isso em prestação de contas.

Em contato com a Folha, o Bradesco disse que “não irá comentar o assunto.” Já a Nike respondeu que “não divulga informações de contrato respeitados por cláusulas de confidencialidade.”

A CBB fechou 2014 com déficit de aproximadamente R$ 13 milhões. A entidade está em negociações avançadas para ter os Correios como um de seus patrocinadores, em substituição à Eletrobras.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir