Esportes

Boca Juniors tem recurso negado e continua fora da Libertadores

O segundo tempo do clássico entre Boca Juniors e River Plate, pelas oitavas de final da Libertadores, não foi reiniciado no horário previsto em virtude da violência contra o time visitante na Bombonera, em Buenos Aires - foto: divulgação

O segundo tempo do clássico entre Boca Juniors e River Plate, pelas oitavas de final da Libertadores, não foi reiniciado no horário previsto em virtude da violência contra o time visitante na Bombonera, em Buenos Aires – foto: divulgação

Na tarde desta terça-feira (19), a Conmebol informou em suas redes sociais que o recurso do Boca Juniors à Câmara de Apelações da entidade foi negado e o clube terá de cumprir todas as punições previstas inicialmente.

Devido à atitude de torcedores que atiraram gás tóxico em jogadores do River Plate em partida da Libertadores, o clube foi desclassificado da competição. Além disso, o clube terá que jogar as próximas quatro partidas como mandante e outras quatro como visitante em qualquer competição sul-americana sem seus torcedores. Também houve multa de aproximadamente R$ 600 mil.

O advogado Eduardo Carlezzo, que defende o clube argentino, explicou à reportagem que há uma terceira instância esportiva recém-criada no continente: o Tribunal Arbitral Desportivo da América do Sul, que é independente da Conmebol, semelhante ao que existe na Europa para tratar de casos relacionados à Fifa. Agora, o Boca pretende recorrer a esse tribunal.

O segundo tempo do clássico entre Boca Juniors e River Plate, pelas oitavas de final da Libertadores, não foi reiniciado no horário previsto em virtude da violência contra o time visitante na Bombonera, em Buenos Aires.

Após um primeiro tempo sem gols, resultado que classificaria o River devido à vantagem obtida na partida de ida (1 a 0), os jogadores da equipe visitante foram atingidos por substância tóxica.

A partida ficou interrompida por mais de uma hora até que a arbitragem determinou que ela fosse suspensa. Quatro jogadores do River tiveram inflamação na córnea devido ao contato com o gás.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir