Economia

Bancos se unem para criar empresa de análise de crédito

 

valor-de-seguro-de-carros-banco-do-brasil

A Febraban acrescentou que a expectativa é de que a empresa gestora e o consequente aperfeiçoamento da análise e gestão do crédito – foto – divulgação

O Banco do Brasil, Bradesco, a Caixa Econômica Federal, o Itaú Unibanco e Santander se uniram para criar uma empresa gestora de inteligência de crédito, que permitirá ao setor bancário e demais instituições da área aprimorar a capacidade de análise e gestão de suas carteiras de empréstimos, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas (empresas). A expectativa é que serão necessários quatro anos para a estruturação tecnológica e geração de dados que viabilizem a operação da empresa gestora. A informação foi divulgada hoje (21) pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Segundo a Febraban, com a autorização prévia dos clientes, as instituições repassarão dados cadastrais e de crédito de pessoas físicas e jurídicas à gestora de inteligência, que formará um perfil desses clientes. “Em longo prazo, a criação da gestora proporcionará melhores condições na oferta e maior agilidade na liberação de operações de crédito com prazos e parcelas mais adequados à capacidade de pagamento e ao perfil de cada cliente”, destacou a federação.

A Febraban acrescentou que a expectativa é de que a empresa gestora e o consequente aperfeiçoamento da análise e gestão do crédito contribuam, no futuro, para a queda de spreads (diferença entre a taxa de captação de recursos pelos bancos e a cobrada dos clientes), da inadimplência e do superendividamento de clientes.

De acordo com o presidente da entidade, Murilo Portugal, a nova gestora – que ainda não tem um plano de negócio pronto – contribuirá para expansão do crédito no país, para queda de spreads (taxa de risco cobrada pelo banco, além dos juros, que varia de acordo com o tomador), da inadimplência e do superendividamento de clientes.

“Se pensarmos na expansão de 55% [de participação do crédito bancário em relação ao Produto Interno Bruto (PIB)] para 80%, como é no Chile, é uma capacidade enorme. A decisão dessa inciativa não foi baseada em circunstâncias conjunturais do presente, mas em circunstâncias estruturais e na grande força que a economia brasileira tem”, acrescentou Portugal.

Conforme a Frebaban, apenas depois da autorização prévia dos clientes, as instituições de crédito repassarão dados cadastrais e de crédito de pessoas físicas e jurídicas à nova gestora de inteligência de crédito. Os clientes “bons pagadores” poderão receber condições melhores para pagar os empréstimos.

 

Por Agencia Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir