Dia a dia

Audiências de instrução da ‘La Muralla’ devem acabar em julho

Operação deflagrada em novembro de 2015, tem como objetivo desarticular uma facção criminosa que atua no tráfico internacional de drogas - foto: Márcio Melo

Operação deflagrada em novembro de 2015, tem como objetivo desarticular uma facção criminosa que atua no tráfico internacional de drogas – foto: Márcio Melo

No segundo dia da audiência de instrução da operação Lá Muralla, deflagrada pela Polícia Federal em novembro de 2015, e que desarticulou as lideranças da facção criminosa Família do Norte (FDN), foram ouvidos o colombiano Paulo Bernal Lores, que está detido no presidio de Tabatinga, e os irmãos Donilso e Antônio Ribeiro Arevalo, que se encontram em liberdade provisória. Os réus foram ouvidos na tarde de ontem, no prédio da Justiça Federal, na avenida André Araújo, Aleixo, Zona Centro-Sul, por meio de uma videoconferência.

De acordo com a diretoria de secretaria da 2ª Vara Federal, as audiências de instrução devem acontecer até o mês de julho, devido o juiz titular da vara, Marlon Souza, se encontrar em licença medica, em virtude de um procedimento cirúrgico. Segundo a diretoria, as audiências estão sendo realizadas por juízes de outras varas e por conta disso, algumas delas estão sendo remarcadas. “Como nem sempre outros juízes poderão está realizando as audiências de instrução, algumas deverão ser remarcadas e tudo deve terminar até julho”, explicou.

A diretoria também informou, que algumas testemunhas não poderão comparecer a algumas audiências já agendadas, como a que iria acontecer na segunda-feira, mas que teve de ser remarcada. “Algumas testemunhas são agentes da Polícia Federal e que neste momento não podem depor, porque estão atuando em missões fora de Manaus”, explicou a diretoria.

Ainda segundo a 2ª Vara Federal, a próxima audiência de instrução está marcada para acontecer na próxima quarta-feira (15), às 9h. Porém, os quatro réus que devem ser ouvidos estão foragidos: Luciano da Silva Barbosa, 27, filho do ‘Zé Roberto da Compensa’; Gregório Graça Alves, 29, o ‘Mano G’, ou ‘Mano Greg’, traficante e pistoleiro; Francisco Cleuter Machado Araújo, 30, o ‘Santo’ ou ‘Serafim’, membro da FDN; e Eduardo Queiroz de Araújo, o ‘Foguinho’ ou ‘Cadu’, também membro da FDN. Este último, foi o único que mesmo foragido apresentou defesa, por tanto na audiência será ouvido apenas a sua parte.

Operação

A operação ‘La Muralla’ foi deflagra em novembro de 2015 e tinha como objetivo desarticular uma facção criminosa que atua no tráfico internacional de drogas, operando o tráfico de armas, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, roubos, homicídios, sequestro, tortura e corrupção de agentes públicos.

Segundo a Polícia Federal, a investigação teve início em abril de 2014 com a apreensão de R$ 200 mil, em espécie no Amazonas. Na ocasião, durante ação no Rio Solimões, uma lancha de propriedade da organização criminosa foi apreendida com o dinheiro ocultado no interior de um aparelho de ar condicionado. A carga tinha como destino fornecedores de drogas que atuam na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru.

 

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir