País

Ativistas do Greenpeace protestam contra Alckmin e a crise hídrica em SP

Um grupo de ativistas do Greenpeace protestou nesta terça-feira (23) na praça da Sé, região central da capital paulista, para cobrar do governo de São Paulo medidas concretas para solucionar a crise da água no Estado.

Com o slogan “Não vai faltar sede”, os ativistas distribuíram garrafas de água, simbolizando as últimas gotas do sistema Cantareira, que opera nesta terça com 15,4% de sua capacidade. Eles contaram com a ajuda da mascote “Voluminho” para distribuir as 2.600 garrafas com o rótulo do produto fictício.

A embalagem criada pela ONG tem uma foto do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) sorrindo e a frase: “Minha preferida!”. Na composição da água “100% volume morto”, está escrito: “Negação, hipocrisia, mau gerenciamento, corrupção, lucro, bolsa de valores, acionistas & propaganda enganosa”.

Durante a ação, membros do Greenpeace levaram esclarecimentos a quem passava pela praça. “A má gestão hídrica da água atualmente fez com que ela fosse tratada como mercadoria e não como direito. Por isso, lançamos essa contrapropaganda, mostrando que são as últimas gotas do nosso reservatório Cantareira”, disse Fabiana Alves, coordenadora da campanha.

Fabiana criticou o atual modelo de cobrança diferenciado pela água. “O Greenpeace tem pedido para que acabem os contratos de demanda firme, que são contratos com grandes empresas, que consomem mais de 500 mil litros de água por mês com a Sabesp. Esses contratos fazem com que essas empresas, quanto mais consumem, menos elas pagam pela água. Essa é uma ótica totalmente de mercado e não de direito, que é como deve ser tratada”, disse.

Alckmin tem sustentado que esta é a maior seca dos últimos anos e que as obras do governo de São Paulo no sistema estão sendo feitas a tempo de evitar um racionamento drástico.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir