Mundo

Atirador de Orlando disse que ataque foi vingança por bombardeios dos EUA

O homem que matou 49 pessoas em Orlando no último dia 12, conversou quatro vezes por telefone com a polícia enquanto mantinha reféns na boate gay Pulse, cenário do maior ataque a tiros da história dos EUA. Nesses contatos, ele se identificou como um “soldado islâmico” e disse que os EUA deveriam parar os bombardeios na Síria e no Iraque.

“É por isso que estou aqui agora”, disse Omar Mateen a um negociador da polícia de Orlando menos de uma hora após ter iniciado o massacre, segundo trechos dos diálogos divulgados nesta segunda (20) pelo FBI, a polícia federal americana.

Nos trechos divulgados não há nenhuma referência à possível motivação homofóbica do atirador.

Durante as conversas, Mateen também ameaçou detonar explosivos -que mais tarde a polícia descobriu que ele não tinha em seu poder.

“Há um veículo lá fora com algumas bombas, só para você saber, e eu vou detoná-los se eles tentarem fazer qualquer coisa estúpida”, disse Mateen.

O atirador afirmou ainda que tinha um cinturão de explosivos, que ele descreveu como sendo do mesmo tipo “usado na França”, numa suposta referência ao atentado em Paris no ano passado, que deixou 130 mortos.

Terror doméstico

Em entrevista coletiva nesta segunda, o agente do FBI Ronald Hopper reiterou não há evidências de que Mateen tivesse elos com grupos terroristas no exterior, repetindo as suspeitas divulgadas na semana passada de que ele se radicalizou por conta própria. Na mesma linha, o presidente Barack Obama disse pouco após o massacre que ele parecia ter sido um ato de “terror doméstico”.

Segundo Hopper, nas conversas com a polícia o atirador fez suas “declarações assassinas” de dentro da boate Pulse “de maneira calma, fria e deliberada”.

O primeiro contato, às 2h08 (3h08 de Brasília) foi iniciativa de Mateen, que ligou para o número de emergência da polícia cerca de meia hora após os primeiros disparos. Ele começou com palavras em árabe, “em nome de Deus, o misericordioso”, saudação comumente usada por fiéis muçulmanas.

Questionado pelo atendente da polícia qual era o seu nome, ele respondeu que “jurava lealdade a…”, mas a continuação não foi revelada pelo FBI. De acordo com investigadores ouvidos pela imprensa americana, os nomes omitidos foram o do grupo terrorista Estado Islâmico e seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi.

Após os primeiros alertas sobre o ataque na Pulse, a polícia foi ao local e trocou tiros com Mateen, mas depois ele ficou sitiado por mais de três horas na casa noturna, pelo que mostram os trechos liberados pelo FBI.

Nesse período, manteve uma série de contatos com a polícia, mas não foram disparados mais tiros, o que as autoridades citaram para rebater as críticas de que o resgate demorou demais. O impasse terminou às 5h02 quando a polícia decidiu abriu um buraco com explosivos na parede da boate e matou o atirador.

A ação foi tomada depois que Mateen ameaçou detonar explosivos. Meia hora antes, a polícia retirou o ar-condicionado de um vestiário da casa noturna, por onde um número não revelado de reféns pôde escapar, informou o FBI.

Numa das conversas, o negociador da polícia questionou o que Mateen havia feito e ele respondeu: “Não, você já sabe o que eu fiz”. Em seguida advertiu que haveria novos ataques.

“Nos próximos dias vocês verão mais ações desse tipo”, disse, antes de desligar o telefone. Revelações anteriores sobre as três horas em que o atirador ficou na boate Pulse mostraram que ele trocou mensagens com sua mulher e entrou no Facebook para checar a repercussão do massacre.

A procuradora-geral dos EUA, Loretta Lynch, justificou a decisão de não revelar o grupo ao qual Mateen jurou lealdade. “Estamos tentando não ‘revitimizar’ aqueles que passaram por aquele horror”, disse Lynch em entrevista à rede de TV ABC.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir