Mundo

Ataques a hospitais e escolas na Síria deixam cerca de 50 mortos, diz ONU

Outros dois hospitais eram ligados ao Unicef - foto: reprodução

Outros dois hospitais eram ligados ao Unicef – foto: reprodução

Uma série de ataques com mísseis a pelo menos cinco instalações hospitalares e duas escolas deixou cerca de 50 mortos nas províncias de Idlib e Aleppo, no norte da Síria, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas).

Um dos hospitais atingidos, em Ma’rat Al Numan, em Idlib, é apoiado pela ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF). De acordo com a organização, pelo menos sete pessoas morreram no local. Outras oito estariam desaparecidas.

Outros dois hospitais eram ligados ao Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) -um deles era uma unidade materno-infantil, onde, segundo o organismo, teriam morrido crianças.

“Nós, no Unicef, estamos horrorizados pelos relatos de ataques contra instalações médicas na Síria”, disse o diretor-executivo do Unicef, Anthony Lake, destacando que um dos hospitais teria sido atingido quatro vezes.

“Também há relatos de que duas escolas em Azaz [província de Aleppo] foram alvos de ataques que mataram seis crianças”, disse Lake, em comunicado.

“Além de considerações sobre diplomacia e obrigações sob o Direito Internacional Humanitário, é preciso lembrar que estas vítimas são crianças. Crianças”, completou.

O texto destaca que um terço dos hospitais e um quarto das escolas na Síria -cerca de 5 mil- não estão mais ativas.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, classificou os ataques como uma “evidente violação das leis internacionais”.

“Estes incidentes obscurecem os compromissos assumidos durante reunião do grupo de apoio à Síria em Munique no último dia 11”, disse o porta-voz da ONU Farhan Haq.

Na última semana, potências mundiais concordaram em implementar um cessar-fogo parcial na Síria -que não inclui o Estado Islâmico e a Frente Al-Nusra, ambos designados como organizações terroristas pela ONU. Sua implementação deveria acontecer a partir do fim desta semana.

Médicos sem fronteiras

Em comunicado, a Médicos sem Fronteiras disse que o hospital em Ma’rat Al Numan foi atingido por quatro mísseis em dois ataques com um intervalo de poucos minutos entre eles. Entre os mortos, estariam cinco pacientes, um cuidador e um guarda.

“A destruição da instalação apoiada pela Médicos sem Fronteiras parece ser um ataque deliberado a uma estrutura de saúde”, afirmou Massimiliano Rebaudengo, coordenador-geral da organização, em nota.

“A destruição do hospital deixa a população local de cerca de 40 mil pessoas sem aceso a serviços médicos em meio a uma zona de conflito ativa.”

Síria

Ativistas da oposição ouvidos pela Associated Press dizem que toda a estrutura do hospital desabou. Médicos e funcionários do hospital estariam tentando encontrar sobreviventes nos destroços.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, cuja sede fica no Reino Unido, o bombardeio contra esse hospital teve autoria russa.

A região do norte do país tem sido alvo de intensos ataques do regime sírio e de sua aliada Rússia, que tentam fazer opositores recuarem.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir