Mundo

Ataque mata procurador egípcio que liderava processos contra islamitas

O procurador-geral do Egito, Hisham Barakat, 65, morreu nesta segunda (29) em um atentado a bomba no Cairo. Ele chegou a ser levado a um hospital, onde passou por cirurgia, mas não resistiu.

Barakat comandava os processos judiciais contra o presidente deposto Mohammed Mursi e seus aliados da Irmandade Muçulmana. O procurador foi apontado para o cargo em julho de 2013, ano do golpe militar.

Outras sete pessoas ficaram feridas. A explosão danificou vários carros e casas que estavam nas imediações.

O atentado foi reivindicado nas redes sociais por um grupo pouco conhecido chamado Movimento de Resistência Popular. Os terroristas colocaram uma bomba em um carro estacionado, que explodiu quando o comboio de Barakat passada pela avenida Emar ben Yaser, próxima à academia militar.

PERSEGUIÇÃO

No dia 16 de junho deste ano, um tribunal egípcio confirmou a condenação à pena de morte de Mursi por atos violentos e por fugir da prisão em 2011, durante o levante popular conhecido como Primavera Árabe.

A corte, que já havia condenado Mursi e mais de cem pessoas à morte em maio, confirmou a sentença após consulta ao grão-mufti do Egito, autoridade religiosa a quem o governo concede um papel consultivo. O veredicto pode ser revertido no Tribunal de Apelações do país.

Mursi se tornou o primeiro presidente eleito democraticamente no Egito após a queda do ditador Hosni Mubarak, em 2011, em meio à Primavera Árabe.

Em 2013, Mursi se tornou alvo de grandes protestos e foi deposto em um golpe militar encabeçado pelo ex-comandante e atual presidente, Abdel Fattah al-Sisi.

Desde então, as autoridades egípcias vêm perseguindo os partidários da Irmandade Muçulmana, acusados serem uma ameaça à segurança nacional.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir