Esportes

Ataque ineficiente e falhas defensivas do São Paulo marcam má fase

Meia-atacante Luiz Araujo aparece como opções do ataque tricolor - foto: Rubens Chiri/São Paulo

Atacante argentino Chávez aparece como opções do ataque tricolor – foto: Rubens Chiri/São Paulo

A derrota para o Vitória neste domingo (25) acendeu de vez o sinal de alerta no São Paulo, que agora está a quatro pontos da zona do rebaixamento. Mas do que isso, a atuação voltou a mostrar os mesmos problemas que têm assolado a equipe durante todo o Brasileiro. Aliados a alguns fatores extracampo, esses problemas precisarão ser resolvidos pelo clube do Morumbi para que a Série B de 2017 deixe de ser uma ameaça.

Ataque

O ataque do São Paulo simplesmente não vem funcionando -não à toa, é o segundo pior do Brasileiro, empatado com Atlético-PR, Figueirense e Internacional, todos com 27 gols. Em alguns momentos, não cria oportunidades; quando consegue criar, como neste domingo em Salvador, peca nas finalizações e não encontra o caminho das redes. É o principal problema a ser resolvido na equipe.

Falhas defensivas no segundo tempo

Ambos os gols do Vitória vieram na segunda etapa, e isso não é nenhuma novidade para o São Paulo. No segundo turno do Brasileiro, aliás, todos os gols sofridos foram no segundo tempo (dez), sendo que a defesa não foi vazada na etapa inicial nenhuma vez. Diagnosticar a causa e evitar as falhas na parte final dos jogos é outra tarefa não resolvida no Morumbi.

Ambiente

Enquanto a equipe não responde em campo, o clube vive dias quentes na política e sofre pressão da torcida. O CT da Barra Funda foi invadido em agosto, Gustavo Oliveira deixou o cargo de diretor executivo de futebol e conselheiros começam a questionar o trabalho de Ricardo Gomes. A turbulência é um denominador comum em equipes grandes que foram rebaixadas ao longo da última década, e outro problema a ser enfrentado.

Visitante

O São Paulo tem atuado pessimamente como visitante: o aproveitamento é de 27% na temporada. Para se recuperar na tabela, é preciso melhorar a marca, já que tem pela frente mais cinco confrontos fora de casa.

Morumbi

Lotar o estádio e contagiar os jogadores é outra receita comum de equipes que fugiram do rebaixamento -caso do Palmeiras em 2014, por exemplo. Apesar de ter boa média na Libertadores, o São Paulo tem levado 17 mil pagantes em média por jogo ao Morumbi no Brasileiro -ocupação média de 24%.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir