Economia

Arena da Amazônia será palco para mais eventos

Arena da Amazônia conseguiu até o ano passado, de acordo com o titular da Sejel, Fabrício Lima, todo o seu potencial como um espaço multiuso – arquivo EM TEMPO

Agora, mais do que nunca, a Arena da Amazônia terá que fazer valer as características de espaço multiuso para se manter como um local que gera renda para o governo do Amazonas. Após a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vetar jogos do campeonato brasileiro fora do Estado de origem dos clubes, restará o aluguel da arena para shows e eventos para cobrir os custos do estádio todo mês. E a Secretaria de Estado da Juventude Desporto e Lazer (Sejal) confirma que deve se intensificar ainda mais a realização desses eventos.

A Fundação Vila Olímpica (FVO), órgão ao qual a Arena da Amazônia também está ligada, descreve o monumento como um espaço multiúso que pode receber jogos de futebol, shows, eventos, feiras e visitações.

Pode também ser adaptada para receber jogos de futebol de areia e de esportes de quadra como, vôlei e basquete. O projeto atendeu a todas as exigências da Fifa e foi elaborado para tornar a arena um espaço multifuncional após a Copa do Mundo no Brasil em 2014, além de se tornar o novo cartão postal da cidade.

De acordo com o titular da Sejel, Fabrício Lima, agora a arrecadação da Arena da Amazônia está focada em três frentes, sendo a primeira trabalhar com jogos que não são do campeonato brasileiro, nesse caso inclui Primeira Liga, Copa do Brasil, Sul-Americana e Libertadores, ainda os jogos de campo neutro.

O segundo ponto são os shows e eventos culturais, que podem ser anunciados já na próxima semana. “Com a perda dos jogos do brasileirão, nós teremos que nos reinventar”, explicou.

A Arena da Amazônia já foi palco de grandes partidas 

O secretário também disse que a Arena da Amazônia conseguiu provar até o ano passado, o seu potencial de espaço multiuso, o que era o principal objetivo. “Este ano é o da colheita, de receber mais jogos e quem sabe até ter lucros. Era um absurdo uma arena como a nossa não estar na rota de shows grandes que foram para outras cidades e não vieram para a nossa cidade”, comentou.

A Sejel informou também que está atuando para mudar a decisão da CBF quanto a não permitir mais jogos do Campeonato Brasileiro fora dos Estados de origem dos times. A entidade acredita que a principal função do estádio é receber partidas e vai atrás de fazer jus aquilo que foi pregado como legado da Copa do Mundo, pela maior entidade do futebol brasileiro, em 2014.

A Sejel também está encabeçando a campanha “#LIBERACBF”, que visa a chegar à confederação por meio de atletas e gestores de outros estádios com pedidos de alterar o novo sistema de jogos.

Confirmações

Mesmo antes da intervenção da CBF, Fabrício Lima já acertava eventos para que o termo multiuso da Arena da Amazônia seja amplamente utilizado. Este ano, já houve três eventos no local e ainda este mês acontece a primeira festa de conclusão de curso, que será feita por alunos de uma instituição de ensino particular, dia 17 de março, e vai render R$ 40 mil ao Fundo de Esporte e Lazer (Feel).

No dia 18, será o Villa Mix, que irá beneficiar o Fundo com 7% de toda venda da bilheteria do show.

Joandres Xavier
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir