Dia a dia

Arborização de Manaus é abordada em seminário

Desafio de manter a capital arborizada também deve ser assumido pela população de Manaus. foto; divulgação/ semcom

Aberto a toda sociedade, o I Seminário de Arborização Urbana da Cidade de Manaus, iniciado nesta segunda-feira, em comemoração ao Dia da Árvore, reuniu 200 pessoas, entre estudantes, pesquisadores e líderes comunitários, no Parque do Mindu, no bairro Parque Dez de Novembro, na Zona Centro-Sul.

Apesar de ser um assunto que envolve toda a população – a arborização urbana- a falta de participação da comunidade em geral, foi percebida na abertura do evento que segue até a próxima sexta-feira (25).

De acordo com o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e doutor em Botânica, Carlos Alberto Cid Ferreira, as informações estão sendo disponibilizadas e a sociedade, mesmo sendo convocada a participar de debates sobre o assunto, não procura participar, o que gera ignorância quanto ao cultivo de vegetação e mesmo a derrubada de árvores no meio urbano.

“O que falta é colocar em prática e melhorar, e muito, o que tem sido feito quanto à arborização da cidade. Se nós temos a maior diversidade do planeta sobre essas espécies, porque não aproveitar? A questão é o vandalismo que é muito grande. Mas nós temos condições de fazer isso (conscientizar), pois as informações existem, as pessoas que não vão atrás”, avaliou o pesquisador.

 

Vandalismo

Mesmo com os esforços para colocar mais verde nas ruas, um grande desafio enfrentado diariamente pela prefeitura é o vandalismo contra as árvores, principalmente as recém-plantadas em canteiros-centrais e meio-fio das principais vias. Conforme o secretário da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), Itamar de Oliveira Mar, de cem mudas plantadas em uma ação, metade é danificada. “Nós estamos em uma cidade no coração da floresta, mas que há um déficit de arborização e isso carece não só da participação do poder publico, mas também muito da população que contribui. A Semmas realiza o plantio nos logradouros públicos, e durante a ação de plantio de 100 mudas, cerca de 50 são objeto de vandalismo”, informou.

Itamar disse ainda que o vandalismo influencia nos gastos da prefeitura, pois o custo com as mudas envolve o transporte, plantio, irrigação e gasto com os trabalhadores que realizam as ações. “A prefeitura tem um programa chamado Manaus Verde e Viva, que é um programa voltado a distribuição, produção e plantio de mudas, além disso, fazemos a autorização de corte, poda e manejo das plantas. Apesar de estarmos em uma região quente, independente do período do ano, isso se intensifica devido a falta de arborização”, observou o titular da Semmas.

 

Por Cecília Siqueira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir