Política

Após ser vaiada no Congresso, Dilma diz que é preciso ter determinação

A presidenta também comentou que o país precisará de reformas, como a administrativa e a da Previdência - foto: divulgação

A presidenta também comentou que o país precisará de reformas, como a administrativa e a da Previdência – foto: divulgação

Após ter sido vaiada por seis vezes durante a leitura da mensagem do Executivo no Congresso, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira (2) que é preciso ter “esperança” e “determinação” diante das dificuldades e que era sua “absoluta obrigação estar aqui”.

Dilma decidiu ir pessoalmente fazer a leitura da mensagem do Poder Executivo na reabertura dos trabalhos do Congresso -tarefa que, usualmente, era entregue ao ministro-chefe da Casa Civil. É a primeira vez que ela, no posto mais alto da República, desempenha a tarefa.

Diante da crise política e da retomada da discussão sobre seu impeachment, Dilma decidiu interromper a tradição dos últimos anos e escrever um texto em primeira pessoa, em um aceno à base aliada e também à oposição.

“É essa determinação e é essa esperança que acho que nós temos que ter diante das dificuldades”, disse a presidente. “Achei ótima a receptividade. Tinha absoluta obrigação de estar aqui”, completou.

A presidente foi vaiada principalmente no momento em que defendia a recriação da CPMF como uma das medidas que vão ajudar o país a sair da crise econômica.

Enquanto dizia que o imposto seria “temporário” e “transitório”, Dilma foi vaiada em três ocasiões e afirmou que essa era uma medida “em favor do Brasil”.

Reação

O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse que as vaias durante a fala de Dilma “são do dia a dia do Congresso” e que os protestos não mudam a dinâmica entre Executivo e Legislativo.

Questionado se o governo não viu as manifestações como um indício de que a aprovação da CPMF pode não ser possível, o ministro afirmou ter “confiança” de que o imposto será aprovado e que o Palácio do Planalto “sabe que há oposição”. “Não muda nada”, declarou.

A presidente falou várias vezes em “parceria” com o Congresso para ajudar o país superar a crise e disse que era preciso “mirar no futuro” e “não no período do meu governo”.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir