Dia a dia

Após queda, mãe perde bebê e família acusa maternidade de negligência no atendimento

O companheiro de Alessandra, Glinger Trindade, estava visivelmente abalado com a situação ele falou que o bebê seria o terceiro filho do casal - foto: Diego Janatã

O companheiro de Alessandra, Glinger Trindade, estava visivelmente abalado com a situação. Ele falou que o bebê seria o terceiro filho do casal – foto: Diego Janatã

Uma suposta negligência médica teria levado a dona de casa Alessandra Ferreira de Miranda, 25, gravida de 9 meses, a perder seu bebê, na madrugada desta quinta-feira (25).

Familiares disseram ao EM TEMPO Online que a mulher chegou à maternidade Ana Braga, na Zona Leste, ontem, por volta das 18h, com fortes dores, devido a uma queda, mas que lá teria recebido apenas uma medicação à base de Buscopan e sido liberada.

Em casa, durante a madrugada, a mulher, porém, sentiu dores novamente e retornou à unidade hospital, entretanto a criança já estava morta, o que, segundo a família, ocorreu em consequência da medicação.

A direção da maternidade, no entanto, rebate a acusação e afirma que o bebê morreu devido ao descolamento prematuro de placenta, que ocorreu em decorrência da queda que a mãe sofreu.

“A paciente teve um descolamento prematuro de placenta, que acontece de maneira brusca e que não tem como diagnosticar na hora da queda. O Buscopan receitado pelo médico que a atendeu não dá descolamento de placenta, pois é um remédio usado há muito tempo em grávidas. A causa da morte do bebê não foi a medicação e sim a queda que ocasionou o descolamento, foi uma fatalidade”, disse o diretor da maternidade, Antenor Filho Barbosa.

Queda

De acordo com a sogra da mãe do bebê, a industriaria Odilene Pantoja, 35, a nora caiu no momento que estava mexendo o ar condicionado de sua casa, na tarde de ontem, e, por volta das 18h, começou a sentir dores na barriga, sendo levada para a maternidade.

“Quando cheguei do trabalho ela estava com muita dor e a leveir para o hospital. Lá, bateram um ultrassom, escutaram o coração do bebê e o médico disse que estava tudo normal com a criança. Ele só passou o Buscopan e mandou a gente ir para casa, dizendo que, caso ela sentisse dores, era para voltar. Às 2h30 da madrugada ela começou a sentir dores novamente e a sangrar, então votamos ao hospital, onde eles bateram novo ultrassom e foi constado que o bebê estava morto”, falou a sogra da paciente.

O companheiro de Alessandra, Glinger Trindade, estava visivelmente abalado com a situação. Ele falou que o bebê seria o terceiro filho do casal. A mulher estava gravida de uma menina e o parto seria cesariano.

A prima do marido da dona de casa, Marcela Pantoja, 25, questiona porque o médico que a atendeu não deixou a paciente em observação, visto que ela já estava com nove meses e em uma situação delicada.

“Não conseguimos entender porque ele não a deixou em observação no hospital. Se ela tivesse ficado internada, talvez o bebê não estivesse morrido. Vamos esperar o laudo para saber se a criança morreu em decorrência da queda ou devido a mãe ter tomado Buscopan, mas acredito que não foi devido à queda e sim devido ao remédio”, disse a jovem.

Familiares de Alessandra reclamaram também na demora da cirurgia para retirar o bebê. “Ela chegou ao hospital por voltas 3h da madrugada e a criança só foi tirada 9h30 de hoje, isso é absurdo, ela poderia ter morrido também, ou pegado alguma infecção. A minha tia fez um escândalo na maternidade para poder eles fazerem a cirurgia e tirar o bebê”, falou Marcela revoltada.

Conforme o diretor da unidade, será aberto uma sindicância para investigar o porquê do médico não ter deixado a paciente em observação.

“Quando retornou, a paciente já estava com diagnóstico de FM, ou seja, feto morto. Nesse meio tempo foi feito o diagnóstico de deslocamento de placenta. O descolamento prematuro de placenta é uma patologia grave, quando descola a placenta do útero, o oposto do oxigênio que vai para o bebê é eliminando. Vamos apurar todo o fato. Em relação ao médio ter liberado, vamos abrir uma sindicância. A história da queda também vamos apurar. A cirurgia demorou porque tinham outras pacientes na frente dela, era preciso esperar terminar os outros procedimentos para começar o dela”, concluiu Antenor Barbosa.

Por Mara Magalhães

 

 

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir