País

Após quebrar acordo de delação, lobista Fernando Moura volta a ser preso

Moura foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão pelos mesmos crimes - foto: divulgação

Moura foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão pelos mesmos crimes – foto: divulgação

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (18) novamente o lobista Fernando Moura, amigo do ex-ministro José Dirceu e um dos delatores da operação Lava Jato.

A prisão foi restabelecida após sentença desta quarta do juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em Curitiba, que condenou o ex-ministro Dirceu a 23 anos e três meses de prisão por organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Moura foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão pelos mesmos crimes. Também foram condenados na mesma sentença Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

Moura cumpria prisão domiciliar em Vinhedo (SP) desde novembro, no mesmo condomínio do ex-ministro. A transferência dele para Curitiba (PR) está prevista para sexta (20).

A Justiça acatou pedido do Ministério Público Federal feito em fevereiro que apontava que Moura havia quebrado o acordo de colaboração estabelecido há dois anos.

Com isso, os benefícios estabelecidos anteriormente com a delação não serão concedidos, como a prisão domiciliar. O conteúdo do depoimento, porém, continua a ser considerado nas investigações.

Em janeiro, a Folha de S.Paulo revelou que ao depor ao juiz Moro, o lobista negou que Dirceu tivesse sido responsável pela indicação de Renato Duque para o cargo de diretor de Serviços da Petrobras e também negou ter dito que o ex-ministro o orientou a deixar o Brasil durante o processo de julgamento do mensalão.

As duas afirmações constavam da delação firmada com o Ministério Público. Porém, diante da ameaça de ter sua colaboração anulada pelo recuo, Moura deu uma nova versão, e voltou a incriminar Dirceu. Ele disse que o ex-petista recebia propina de construtoras proveniente de desvios de recursos de contratos com a Petrobras.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir