Dia a dia

Após quatro meses na DEHS, envolvidos em morte de militante do PT já estão na cadeia pública

 Os suspeitos alegam inocência – foto: divulgação


Os suspeitos alegam inocência – foto: divulgação

Cinco dos suspeitos de envolvimento no assassinato do militante do PDT Alexandre Cézar Ferreira, 33, ocorrido no dia 12 fevereiro deste ano, foram transferidos nesta sexta-feira (26), da sede da Delegacia de Homicídios e Sequestros (DEHS), onde estavam presos desde abril, para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus.

Idelcler de Ponce Leão, que há época do crime era presidente do Movimento Democrático Estudantil MDE, Thiago de Souza Nascimento, Carlos Henrique da Silva, Edilson Ferreira e Noel Oliveira Lima estavam na carceragem da DEHS por questões de segurança, mas a Justiça entendeu que não há mais riscos e autorizou a transferência, informou o titular da especializada, Ivo Martins.

Ainda conforme a autoridade policial, o policial militar Edmilson Pimentel Rodrigues, sexto envolvido no crime, continua preso no Batalhão de Guardas da PM, Zona Sul de Manaus. “Verificamos que não existam mais motivos para mantê-los aqui e pedimos à juíza da primeira Vara do Tribunal do Júri a transferência para a cadeia”, informou.

Executada com um tiro na cabeça, a vítima foi jogada na mata, na estrada do Puraquequara, Zona Leste, sendo o corpo encontrado quatro dias após o crime, com sinais de tortura. Para a polícia, a morte foi uma queima de arquivo, devido ao envolvimento de Alexandre na política do Estado.

O inquérito é sigiloso, mas, segundo Ivo Martins está muito bem contextualizado e em breve o caso será esclarecido. Os suspeitos alegam inocência.

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir