Sem categoria

Após pedido de vistas, TRE-AM suspende julgamento de recursos de Melo

Julgamento foi adiado para a próxima quarta-feira (9) - Foto: Arthur Castro

Julgamento foi adiado para a próxima quarta-feira (9) – Foto: Ione Moreno

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) suspendeu, nesta segunda-feira (7), o julgamento dos embargos de declaração apresentados pelo governador José Melo (Pros) e pelo vice Henrique Oliveira (SDD) para tentar reverter à decisão tomada pela corte em janeiro, que cassou os mandatos por compra de votos. A juíza Marília Gurgel pediu vistas do processo até a próxima quarta-feira (9).

A tese da defesa de José Melo afirmou que a operação da Polícia Federal teve a intenção deliberada de prejudicá-lo e que a sentença que o cassou está carregada de contradições e omissões. Os advogados de Melo pedem a reforma da decisão, com a absolvição do político.

A defesa do governador pediu que a Justiça esclareça diversos pontos controversos da operação policial que resultou em sua cassação – operação qualificada como “ilegal” e “violadora de regras” pelos advogados.

Segundo eles, a PF baseou-se exclusivamente em denúncia anônima, promoveu revista generalizada, prisões sem fundamento e ainda impediu o direito de defesa de José Melo.

A diligência foi realizada por dois escrivães federais, que se passaram por cidadãos comuns em um comitê de campanha de Melo em 24 de outubro do ano passado para averiguar a denúncia.

Processo

O representação foi ingressada pela coligação Renovação e Experiência, do ex-candidato a governo do Amazonas nas eleições de 2014 e atual Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB). Após o resultado das eleições que elegeu o atual governador com 874 mil votos, a coligação denunciou um esquema de compra de votos a favor do governador José Melo.

Dentre as acusações apresentadas no processo, o ministro Eduardo Braga apontou a empresária Nair Blair como responsável por uma empresa ‘fantasma’ que recebia verba pública destinada à compra de votos para beneficiar a reeleição de José Melo. O caso que repercutiu em rede nacional em abril do ano passado, culminou na cassação do governador e de seu vice, no inicio deste ano.

A empresária Nair Blair que estava sendo investigada pela participação no suposto esquema de compra de votos, foi presa pela Polícia Federal do Amazonas (PF), no dia 3 de Janeiro. Porém, o processo que resultou na prisão dela, corre em segredo de Justiça e não foi confirmada se está relacionada à crimes eleitora

Por equipe EM TEMPO online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir