Política

Após irritar cúpula do PT, Dilma muda viagem e vai à abertura do congresso do partido

Após irritar a cúpula do PT ao cancelar sua ida à abertura do congresso do partido, nesta quinta-feira (11) em Salvador, a presidente Dilma Rousseff decidiu antecipar sua volta de Bruxelas e chegar a tempo de estar ao lado do ex-presidente Lula no início do evento.

Até a noite de terça-feira (9), dirigentes petistas já não contavam com a presença de Dilma para a abertura e auxiliares da presidente insistiam que Dilma fosse apenas no encerramento do congresso, no sábado (13). O comando do PT, porém, pedia que ela fosse na sexta-feira (12), quando ainda há discussões em curso.

Após as conversas, o Palácio do Planalto avaliou que o sábado seria um dia de pouco movimento e que a ausência de Dilma poderia causar ainda mais desgaste em sua relação com o partido, já bastante tensa.

Nos últimos dias, o comando do PT e o ex-presidente Lula agiram para acalmar os ânimos de setores da legenda, que preparam críticas diretas à política econômica e à atuação da presidente para serem feitas durante o congresso.

Dilma viajou a Bruxelas no fim da manhã de terça para reunião de cúpula entre União Europeia e Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos. Deve embarcar de volta ao Brasil no início da tarde de quinta. Com o fuso horário, deve desembarcar em Salvador na noite da abertura do congresso.

RECADO

O PT espera que, no congresso, Dilma “testemunhe” e “chancele” bandeiras que podem reaproximar o partido e o governo de suas bases históricas.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deve ser alvo dos petistas durante o evento. Correntes internas do partido como Novo Rumo, Mensagem ao Partido, DS e Trabalho preparam documentos bastante críticos ao governo.

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) também levará ao evento críticas ao ministro e ao governo Dilma, a quem acusa de ter promovido uma “guinada na política econômica, com ataques a direitos dos trabalhadores”.

Petistas pedem à presidente acenos à esquerda em contrapartida ao ajuste fiscal, como benefícios aos trabalhadores, retomada do crescimento econômico, fim do fator previdenciário, imposto sobre fortunas, entre outros temas caros ao governo.

 

Por Folha Press

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir