Mundo

Após derrota, Maduro ameaça se radicalizar

Maduro reconheceu o triunfo inimigo e prometeu uma reforma ministerial para "fazer um processo de reestruturação e renovação profunda do governo - foto: reprodução

Maduro reconheceu o triunfo inimigo e prometeu uma reforma ministerial para “fazer um processo de reestruturação e renovação profunda do governo – foto: reprodução

Acossado pela devastadora derrota na eleição parlamentar venezuelana, o governo do presidente Nicolás Maduro reage de forma ambígua à insatisfação expressada nas urnas e ameaça se radicalizar.

A oposição pôs fim a quase 17 anos de hegemonia governista ao arrebatar 112 das 167 cadeiras da Assembleia Nacional unicameral no último domingo (6). Isso equivale a uma maioria de dois terços, que garante prerrogativas para interferir nos demais poderes, controlados pelo governo.

A bancada chavista na próxima legislatura, que começa em 5 de janeiro, será de 55 deputados, quase metade da atual.

O chavismo foi humilhado até em bastiões históricos, como o Estado de Barinas, terra natal de Hugo Chávez, e a favela de 23 de Janeiro, em Caracas, onde ele votava.

Sucessor de Chávez, Maduro reconheceu o triunfo inimigo e prometeu uma reforma ministerial para “fazer um processo de reestruturação e renovação profunda do governo.” Mas ele também se eximiu da responsabilidade e apontou dois culpados.

O primeiro é a “guerra econômica” supostamente travada por empresários que geram filas e desabastecimento para jogar a população contra o governo.

O segundo é a população carente, a quem Maduro criticou por ter “votado errado.”

“Eu queria construir quatro milhões de casas populares, mas agora não sei. Pedi o seu apoio e você não me deu”, bradou Maduro na TV, apontando o dedo para a câmera.

Desde domingo, o governo atua para impedir a oposição de adotar, na próxima legislatura, as reformas prometidas. Contra a liberalização da economia, Maduro proibiu demissões até 2018.

Ele também disse que bloqueará qualquer lei que “prejudique o povo e os trabalhadores”. A declaração foi interpretada como veto antecipado a medidas para atenuar o controle de preços e de câmbio, que economistas consideram a razão principal por trás do desabastecimento.

O presidente afirmou, ainda, que resistirá à convocação de um referendo para removê-lo do poder e à lei de anistia para libertar manifestantes e políticos presos.

Para se garantir juridicamente neste embate, o chavismo manobra desde antes da eleição para reforçar seu controle sobre o Tribunal Superior de Justiça. A aposentadoria de 12 dos 32 magistrados da corte foi antecipada para que a atual legislatura escolha os substitutos.

Segundo o analista e consultor Edgard Gutierrez, Maduro ignora o veredito das urnas. “Sua resposta tem sido uma fuga para a frente com radicalização, e isso vai se acirrar.”

Vozes dissonantes

Enquanto os caciques do chavismo parecem cerrar fileiras junto com Maduro, proliferam vozes dissonantes entre militantes e intelectuais.

Uma das autocríticas mais dramáticas partiu de Miguel Pérez Pirela, apresentador do programa de TV “Caindo e Correndo”, do canal chavista. Ele rejeitou “culpar o povo” e exigiu que se assumam “responsabilidades e culpas”.

Outra crítica partiu dos ex-ministros de Chávez Héctor Navarro e Jorge Giordani, que haviam sido banidos por Maduro em 2014. Na quarta (9), eles chamaram a imprensa para analisar a derrota governista, mas militantes hostis encerraram o evento à força.

“Não tenho dúvidas de que a ordem partiu de cima. Isso só reforça a imagem de intolerância e alienamento do governo”, disse Navarro.

“Cansamos de avisar, mas Maduro proibiu críticas e ignorou nossas recomendações para consertar a economia”, afirmou Navarro, que defende uma lei anticorrupção e estímulos à produção no lugar dos ataques ao setor privado.

O ex-ministro também prega diversificação urgente da economia diante da degringolada dos preços do petróleo, praticamente a única fonte de dólares do Estado.

Apesar do revés, o comunicador social Gonzalo Gómez, cofundador do site chavista dissidente Aporrea, vê boas chances de sobrevivência se houver correção de rumo.

“A oposição deveria agir com cautela, porque a maioria dos votos que obteve são emprestados por chavistas irritados.”

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir