Política

Após críticas, Temer escolhe desembargadora negra para secretaria

Sob críticas pela ausência de mulheres e negros no primeiro escalão do governo federal, o presidente interino, Michel Temer, escolheu na sexta-feira (3) a desembargadora aposentada Luislinda Valois para comandar a secretaria de promoção da igualdade racial, estrutura subordina ao Ministério da Justiça.Considerada a primeira negra a se tornar juíza no país, em 1984, a magistrada foi autora da primeira sentença de condenação por racismo no Brasil, em 1993, e foi condecorada com o título de embaixadora da paz da ONU (Organização das Nações Unidas) em 2012.

Filiada ao PSDB, mesmo partido do ministro Alexandre de Moraes (Justiça), Luislinda também integra a Academia de Letras José de Alencar, de Curitiba, e é autora de livros sobre a história dos negros no país.

Além da magistrada, outras duas mulheres foram nomeadas no segundo escalão do Ministério da Justiça: a procuradora Flávia Piovesan para a secretaria de direitos humanos e a ex-deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) para a secretaria das mulheres.

A última foi apontada pelo Ministério Público Federal como integrante de uma “articulação criminosa”. Segundo relatório da Procuradoria-Geral da República, divulgado pela Folha de S.Paulo, a peemedebista é citada como integrante de um esquema para desviar R$ 4 milhões de suas emendas parlamentares.

Perguntada pela reportagem, ela respondeu, por meio da assessoria, que confia no trabalho da polícia e da Justiça e disse estar tranquila de que tudo será esclarecido.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir