Dia a dia

Após colisão entre embarcações, barco com combustível naufraga no rio Amazonas

Equipes da Marinha do Brasil e da empresa trabalham para a retirada do barco que ficou parcialmente submersa no rio - foto: divulgação/CBMAM

Equipes da Marinha do Brasil e da empresa trabalham para a retirada do barco que ficou parcialmente submersa no rio – foto: divulgação/CBMAM

Após a colisão entre duas balsas, um comboio de cargas desprendeu-se da embarcação. O fato ocorreu na manhã desta quarta-feira (3), em frente ao município de Itacoatiara (distante 265 quilômetros de Manaus).

A carga da empresa Hermasa ficou à deriva nas margens do rio Amazonas, sendo levada pela correnteza e posteriormente atingindo outras embarcações próximas ao pontal da empresa. O acidente acabou provocando o naufrágio de um barco e o vazamento do combustível (óleo diesel). Não houve feridos.

De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), a colisão provocou o efeito “boliche” e atingiu três embarcações – duas lanchas com motores de 40HP e um barco regional – que estavam atracados.

Durante o acidente, estavam sendo realizados abastecimento dos geradores de energia elétrica do município. No momento, havia 20 balsas, mas nove  delas acabaram sentindo o impacto da colisão, que ocorreu por volta das 5h da madrugada contra um pontão.

Após as balsas se chocarem e ficarem à deriva no rio, rebocadores fizeram o resgate e o vazamento do óleo diesel foi contido por uma equipe de proteção ambiental da empresa responsável pela balsa, com o apoio da Marinha do Brasil.

Trabalhos

Uma equipe da Marinha do Brasil e da empresa trabalham para a retirada do barco que ficou parcialmente submersa no rio. A balsa contém cerca de 1 mil litros de diesel no tanque, que não vazou.

Investigação

A Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental enviou uma equipe de inspetores navais da Agência Fluvial de Itacoatiara ao local, para investigar as causas do acidente por meio do Inquérito Administrativo sobre Fatos da Navegação (IAFN). Há suspeitas que cabos de aço que prendiam as balsas no pontal tenham sido cortados criminosamente.

Por Josemar Antunes (especial EM TEMPO Online)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir