Sem categoria

Aplicativo aponta feijão e arroz mais baratos no Amazonas

O feijão foi, pelo segundo mês consecutivo, o produto que teve a maior alta, registrando 10,3% de aumento - foto divulgação

A pesquisa mostra que de maio para junho o arroz teve um aumento, em média, de 11% e o feijão de 18,05%, também em média – foto divulgação

O arroz e o feijão mais baratos da cidade agora podem ser encontrados mais facilmente pelo consumidor com o aplicativo eMercado. Diante do cenário em que os produtos apresentam altos preços em todo o Brasil, na última sexta-feira (17) usuários da ferramenta mapearam os preços de dez supermercados da cidade.

A pesquisa mostra que de maio para junho o arroz teve um aumento, em média, de 11% e o feijão de 18,05%, também em média. O eMercado foi criado no intuito de driblar os preços autos, e o consumidor já pode encontrar arroz de até R$ 2,39 no Hiper DB da Paraíba e feijão de até R$ 3,95 no supermercado Emporium Rodrigues, segundo dados da pesquisa. Em contrapartida, o consumidor pode fugir de comprar arroz a R$ 5 e feijão a R$ 13,75, ambos no Emporuim Roma.

Segundo um dos criadores do App, Flávio Montenegro Filho, 26, a proposta do eMercado é ser um facilitador para que o consumidor encontre melhores ofertas de produtos no supermercado, e os próprios usuários são os responsáveis pela construção do conteúdo.

“Nós fizemos a pesquisa do arroz e do feijão com base no aumento que teve.  E, basicamente, ela é feita tanto pelos próprios usuários que já usam o aplicativo como por nós mesmos, que vamos no supermercado e compartilhamos alguns preços. A partir dessas informações, a gente já consegue vários outros dados comparando os preços com os de outros supermercados”, explicou.

Flávio disse ainda que o aplicativo pode se perpetuar, já que oferece uma grande facilidade para o consumidor. “Nós acreditamos que o eMercado pode ser usado em um bom momento ou em um momento não tão bom, porque a todo momento as pessoas pensam em economizar. Mas, o fato de a situação da nossa economia não estar muito boa acaba dando um certo impulso também para o aplicativo”, observou.

O gerente de marketing da rede DB de supermercados, Guto Cobert, disse que os processos anteriores aos da venda estão encarecendo os produtos, principalmente o feijão. Segundo ele, no país as mudanças de preços destes produtos são constantes. “E neste momento estamos passando por uma situação econômica muito delicada. Fatores pontuais acabam contribuindo para o aumento, tanto quando se colhe quando se transporta”, explicou. “No caso do DB, ainda estamos conseguindo manter um preço acessível porque mantemos uma condição de comprar um pouco mais para manter um grande estoque e com isso praticar o mesmo preço por muito tempo”, afirmou.

O microempresário Wollace Vieira já utiliza a tecnologia do eMercado para economizar nos produtos de preparo do mingau que ele produz para vender.  São produtos que ele precisa comprar constantemente em grande quantidade, itens como leite condensado, canela e creme de leite.

“Antes, eu tinha que ficar pesquisando em um lugar e outro de ônibus, então eu só podia sair uma vez.  Agora não preciso mais estar me locomovendo da Compensa para outros bairros para saber os preços. Vai fechar o mês agora e já vou fazer meu rancho, pesquisando produtos da cesta básica, e já vou fazer outra economia”, afirmou.

Por Joandres Xavier

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir