Economia

Apesar de ressalvas, turistas recomendam Amazonas como destino de viagem

Turistas estrangeiros, apesar de apreciarem as belezas do Amazonas, reclamam de problemas, como a falta de limpeza e recepção deficiente - foto: Márcio Melo

Turistas estrangeiros, apesar de apreciarem as belezas do Amazonas, reclamam de problemas, como a falta de limpeza e recepção deficiente – foto: Márcio Melo

Apesar de estacionado no tempo em termos de produtos turísticos, o Amazonas começa a viver sintomas positivos de fidelização do turismo na cidade de Manaus. Pesquisa, realizada em agosto, apontou que 80% dos turistas estrangeiros afirmaram que recomendarão a cidade como rota turística e 64% afirmaram que Manaus atendeu plenamente as suas expectativas e 84% ficou satisfeito com a hospitalidade do manauense.

Levantamento mensal realizado pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas Empresariais do Amazonas (Ifpeam) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas (Sebrae-AM), ouviu 385 turistas, sendo 227 de origem estrangeira e 158 nacional. Ouviu também 90 donos de estabelecimentos ligados diretamente ao turismo.

Segundo assessor para assuntos econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Amazonas (Fecomércio-AM), José Fernando Pereira da Silva, responsável pela pesquisa, os números revelaram que a cidade vive uma lua de mel com os turistas, principalmente o estrangeiro. “Há um percentual bem grande de turistas que pretendem voltar para Manaus, atraídos por peculiaridades como a selva, o teatro Amazonas, a hospitalidade e especialmente a gastronomia, que é muito elogiada por todos”, disse.

Os principais mercados de turismo para Manaus, de acordo com o economista, são o turismo de negócios e o de lazer. Depois de Manaus, na região metropolitana, a segunda cidade mais procurada pelos visitantes é Presidente Figueiredo (a 117 quilômetros de Manaus) e o município de Silves (a 204 quilômetros de Manaus) começa a se fortalecer como polo turístico.

Entre os números favoráveis, o coordenador da pesquisa apontou como pontos negativos citados pelos turistas a falta de mais informações sobre a cidade como principais pontos da cidade e atrações culturais no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. “Eles reclamam da falta de certo conforto do nosso aeroporto e de um birô e folhetaria com informações sobre melhores lugares da região. Reclamaram também do transporte público e da limpeza da cidade. Mas, no conjunto da obra, eles gostaram da capital”, disse.

Sobre os pontos negativos, o sentimento da Fecomércio, segundo José Fernando, é de que o Estado é carente de políticas públicas voltadas ao setor do turismo ‘com maior agressividade’. Num comparativo com o Estado do Pará, que focou no setor há mais de dez anos e que em breve irá inaugurar um aquário de espécies amazônicas, ele observou que o Amazonas não aproveita o potencial que tem como alternativa ao modelo Zona Franca de Manaus (ZFM).

Diante da falta de produtos turísticos, o economista disse que na Região Metropolitana de Manaus (RMM) e nos municípios dos arredores, há muito a se explorar como, por exemplo, o turismo religioso que poderia funcionar com maior intensidade no município de Itapiranga (a 227 quilômetros de Manaus.

“Na região próxima à Goiânia, o turismo religioso é muito forte. E aqui nós temos o santuário de Itapiranga que poderia ser melhor explorado”, apontou o especialista.

Ocupação

No mês de agosto, 66,7% dos gerentes e donos de estabelecimentos ligados ao turismo responderam que o nível de ocupação foi igual ao do mês de julho, 22,2% afirmaram que foi superior e apenas 11,1% disseram que foi inferior. Para o mês de setembro, 96,3% desses operadores classificaram como boa a expectativa para a taxa de ocupação.

Por Emerson Quaresma do EM TEMPO

1 Comment

1 Comment

  1. Wramos

    29 de setembro de 2016 at 17:46

    Parabéns amazonas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir