País

Ao menos 32 árvores caem após temporal da madrugada em SP

Pelo menos 32 quedas de árvores, em diferentes áreas da cidade, em decorrência do temporal que caiu na capital paulista - foto: divulgação

Pelo menos 32 quedas de árvores, em diferentes áreas da cidade, em decorrência do temporal que caiu na capital paulista – foto: divulgação

De acordo com a Prefeitura de São Paulo, houve pelo menos 32 quedas de árvores, em diferentes áreas da cidade, em decorrência do temporal que caiu na capital paulista na madrugada de sexta-feira (20) para sábado (21). O último balanço da prefeitura foi feito às 10h45.

Houve registro de rajadas de vento, transbordamento de córrego e ruas alagadas, causando transtornos em todas as regiões.

No Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul, entre 0h10 e 0h20, foram registradas várias rajadas, sendo a mais forte de 57,4 km/h.

Ainda segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos foram duas rajadas fortes: à 0h30, com 55,6 km/h, e à 1h00, com 46,3 km. O Mirante de Santana registrou rajadas de 58,7 km/h à 1h.

A cidade ficou em estado de atenção para alagamentos até à 1h50. A Eletropaulo não informou se há bairros sem fornecimento de energia. A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que, a partir das 9h, já não havia mais pontos intransitáveis na cidade.

Essa foi a segunda grande chuva a atingir a cidades nesta semana.

Na tarde de segunda-feira (16), a forte pancada de chuva de granizo causou a morte de uma pessoa no centro da cidade, deixou ao menos 14 feridos e derrubou ao menos 189 árvores, segundo o Corpo de Bombeiros. Mônica Francisca dos Santos, 22, morreu após ser atingida pela queda de uma árvore no Largo da Concórdia, região central.

Alagamento

Apesar do término do estado de alerta na região do Córrego do Ipiranga na Praça Leonor Kaupa, houve transbordamento no local à 0h30. Por dez minutos a Avenida Professor Abraão de Moraes com a Rua Frei Rolim ficou intransitável, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Outro ponto de alagamento intransitável foi na Praça Pascoal Martins com a avenida Marques de São Vicente, na Barra Funda.

As precipitações mais expressivas foram registradas na Lapa (30 mm), na zona oeste, e em bairros da zona sul da capital paulista. Em Parelheiros, no extremo sul, foram registrados 28,2 mm, em Jabaquara 27,5 mm, em Santo Amaro 27,2 mm e na Capela do Socorro 25,2 mm. O Butantã registrou um volume de 24,4 mm e no Ipiranga, onde houve transbordamento do Córrego, o acumulado da chuva foi de 24,2 mm.

O temporal atingiu os seis principais reservatórios de água da Grande São Paulo (Cantareira, Alto Tietê, Guarapiranga, Rio Grande, Alto Cotia e Rio Claro) que abastecem a região metropolitana de São Paulo.

O nível do Sistema Cantareira subiu. O sistema opera com 65,2% do total da sua capacidade, de acordo com dados divulgados pela Sabesp. A chuva que caiu durante a que caiu entre sexta-feira (20) e sábado foi a maior do mês para os mananciais – 23,8 mm. No acumulado do mês, são 55,4 mm, marca ainda inferior ao esperado para todo o mês, que é de 78,2 mm. O sistema Guarapiranga se manteve estável.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir