Mundo

Ao menos 265 morrem em confrontos após tentativa de golpe na Turquia

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, descreveu a tentativa de golpe com “uma mancha na história da democracia da Turquia” e informou que o número de mortos nos confrontos é de ao menos 265.

Em uma coletiva de imprensa realizada neste sábado (16), Yildirim disse que as forças de segurança detiveram 2.839 militares suspeitos de envolvimento com a tentativa de golpe. Ele descreveu aqueles que abriram fogo contra civis como piores do que os rebeldes curdos contra os quais a Turquia tem lutado. “Eu felicito todos os cidadãos que resistiram ao golpe”, disse o premiê.

Segundo Yildirim, 161 “mártires” foram mortos nos confrontos e 1.440 ficaram feridos. Autoridades informaram mais cedo que 104 participantes da tentativa de golpe foram mortos.

Durante a madrugada, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que a situação do país estava sob controle, após horas de caos provocado pela tentativa de golpe feita pelas Forças Armadas -porém, ainda era possível ouvir explosões em Ancara e Istambul.

Mais cedo, o general Ümit Dündar -nomeado comandante interino do Estado-Maior das Forças Armadas no lugar do general Hulusi Akar, que havia sido capturado pelos militares na sexta-, disse que oficiais da Força Aérea, da polícia militar e de unidades blindadas (tanques) eram os principais envolvidos na ação.

Por volta das 12h locais (6h de Brasília), a Grécia informou que prendeu oito homens a bordo de um helicóptero militar turco, que aterrissou no aeroporto de Alexandrópolis. Os homens uniformizados pediram asilo político, mas foram detidos sob suspeita de participação na tentativa de golpe, informou a televisão grega. O Ministério das Relações Exteriores exigiu a extradição imediata deles.

Por mensagem de celular, enviada em massa para a população turca, o presidente Erdogan pediu que as pessoas tomem as ruas e lutem pela democracia.

Erdogan
Às 5h (23h de sexta em Brasília) Erdogan chegou ao aeroporto internacional Mustafa Kemal Atatürk, em Istambul, vindo de Marmaris, no mar Mediterrâneo. No terminal -alvo de um atentado que deixou 45 mortos em 28 de junho- foi recebido por milhares de seguidores.
No saguão, voltou a dizer que uma minoria das tropas esteve por trás do plano e afirmou que os participantes serão severamente punidos por seu governo. “Uma minoria dentro das Forças Armadas felizmente foi incapaz de fomentar a unidade turca. O que foi feito é uma rebelião e uma traição. Eles vão pagar muito caro por sua traição à Turquia.”

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir