Cultura

Amazônia Live é reprovado, e Rock in Rio não pode captar via Lei Rouanet

A Rock World, produtora do Rock in Rio, está impedida de captar dinheiro via Lei Rouanet para o Amazônia Live, evento fechado que seria custeado com verba pública. A decisão foi tomada na noite desta quinta (9), durante reunião da Cnic (Comissão Nacional de Incentivo à Cultura), colegiado responsável por avaliar projetos submetidos ao Ministério da Cultura.O caso foi revelado nesta quarta (8) pela Folha de S.Paulo. O maestro Amilson Godoy, titular da área de música da Cnic e relator do projeto, afirmou que os cortes financeiros foram superiores a 50% do total solicitado pela Rock World, o que leva ao indeferimento automático. A produtora queria R$ 8,8 milhões e Godoy, após equiparar os valores àqueles praticados no mercado, reduziu o orçamento para R$ 3,8 milhões.

Anna Paula Montini, titular do setor empresarial, comentou a restrição de público. Ela afirmou que projeto “não cumpre o exigido em lei”, pois estabelece circuito fechado e prejudica a democratização do acesso.

O produtor e pesquisador circense Robson Mol considerou, ainda, o resultado esperado do projeto: um show que seria transmitido em TV comercial. “A lei permite apenas a veiculação em TV pública”, ressaltou.

O evento, que ocorreria no dia 27 de agosto, seria uma apresentação do tenor lírico Plácido Domingo ao lado da Orquestra Amazonas Filarmônica e do Coral do Amazonas. Apenas 200 jornalistas e formadores de opinião teriam acesso ao show; a população teria de acompanhar o evento por telões ou pelo canal Multishow.

O caráter restritivo é proibido pela lei Rouanet, que veda a concessão de incentivo a eventos que estabeleçam limitações de acesso.

Outro ponto revelado pela reportagem foram os valores solicitados no projeto, alvos de cortes dos pareceristas. O primeiro, que foi favorável ao projeto, reduziu o valor para R$ 5,4 milhões. Já Godoy, contrário, diminuiu para R$ 3,8 milhões. Ambos fizeram cortes de itens como toalhas (R$ 60 mil) e aluguel de equipamento de sonorização (R$ 200 mil).

Também foram feitos cortes em rubricas como cachês de artistas (de R$ 1,2 milhão para R$ 130 mil) e de um arranjador para três jingles (de R$ 150 mil para R$ 30 mil). O cachê da produção caiu de R$ 211 mil para R$ 82 mil.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir