Sem categoria

Amazonas tem 116 novos casos de zika vírus; 18 sendo monitorado com prioridade

Na divulgação do primeiro balanço do ano dos casos de microcefalia relacionada ao zika vírus, o Ministério da Saúde incluiu uma criança de Manaus - foto: Gerson Freitas

Na divulgação do primeiro balanço do ano dos casos de microcefalia relacionada ao zika vírus, o Ministério da Saúde incluiu uma criança de Manaus – foto: Gerson Freitas

Dos 116 novos casos suspeitos de zikas vírus no Amazonas, 18 estão sendo monitorados como prioridade. Todas as pacientes são mulheres grávidas, informou a subsecretária municipal de Gestão da Saúde, Lubélia Sá Freire, durante abertura do curso para capacitar 1.080 profissionais de saúde, que atendem a rede básica, no combate à doença, na manhã dessa terça-feira (12), no auditório da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), na Zona Oeste.

De acordo com a Lubélia, os materiais já foram colhidos, mas a confirmação dos casos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) só será divulgada em 60 dias. Em Manaus, dois casos do zika vírus já foram confirmados, um deles foi transmitido na capital.

Na divulgação do primeiro balanço do ano dos casos de microcefalia relacionada ao zika vírus, o Ministério da Saúde incluiu uma criança de Manaus, nascida em dezembro do ano passado no Instituto da Mulher Dona Lindu, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul. O bebê apresentou perímetro cefálico de 31 centímetros.

“Já estamos trabalhando como se todos os casos fossem verdadeiros e já confirmados. Neste primeiro momento, nossa ação é de fazer o bloqueio, independente do resultado. Esse processo é feito com firmeza para não deixar que os casos se multipliquem”, disse Lubélia.

Na ocasião, a subsecretária municipal de Saúde comentou que a população deve ficar atenta aos sintomas que podem ou não se manifestar. Ela ressaltou que 70% dos casos de zika vírus são assintomáticos e passam muitas vezes despercebidos. “Digamos que essa doença é traiçoeira e que, em alguns casos, os pacientes não sentem nada, o que dificulta o diagnóstico precoce”, destacou.

Ainda segundo Lubélia, o estado febril pode aparecer nas três doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, fato que deve ser levado em consideração pela população. A subsecretária orientou que ao perceber esse sintoma, o paciente deve procurar imediatamente o serviço de saúde para ser avaliado por um profissional que está capacitado para realizar um diagnóstico inicial.

Sintomas

Sobre as diferenças entre as três doenças, a enfermeira explicou que os sintomas da zika são febre baixa, dor de cabeça, lesões com pontos brancos e vermelhos na pele, dor nas costas e olhos vermelhos. Já a febre chikungunya apresenta as seguintes características: febre alta, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo, dores intensas e inchaço nas articulações, principalmente dos pés e mãos e dor muscular.

Nos casos de dengue é comum o paciente apresentar febre alta, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo, dor nas articulações, dor atrás dos olhos, tontura, náuseas e vômitos, perda de peso, fraqueza, sangramento no nariz e na gengiva.

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir