Economia

Amazonas pode receber aporte de R$ 400 mi para desenvolvimento regional

O texto da MP busca viabilizar que a taxa banque a máquina da Suframa – Henderson Martins

Representantes dos setores da indústria, comércio, agropecuário e dos trabalhadores se reuniram, na manhã desta sexta-feira (17), no gabinete da presidência da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) para discutir os efeitos da Medida Provisória n° 757 de 2016, que cria a Taxa de Controle Administrativo de Incentivos Fiscais (TCIF) e a Taxa de Serviço (TS), em substituição a Taxa Serviços Administrativos (TSA).

A previsão é que as taxas gerem uma arrecadação anual de R$ 400 milhões, que seriam divididos igualitariamente para o custeio da autarquia e para os novos investimentos.

O texto da MP busca viabilizar que a taxa banque a máquina da  Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e possibilite o desenvolvimento de projetos sustentáveis no Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Santana, Macapá e no Amapá. Em toda área de abrangência da autarquia e substituir a Taxa de Serviços Administrativos, que de 2000 a 2014 teve seus recursos contingenciados. Após vários questionamentos, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a cobrança da tarifa.

De acordo com a relatora da Medida Provisória, senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), a MP é fundamental, uma vez que a taxa de serviços que a Suframa arrecada e utiliza vem sendo considerada inconstitucional. Isso, através de várias ações individuais de diversas indústrias instaladas Polo Industrial de Manaus (PIM). Segundo a senadora há, de fato, um problema de constitucionalidade na composição da Taxa de Serviços Administrativos da Autarquia.

Henderson Martins

EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir